Língua ardendo: o que pode ser e o que fazer

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
setembro 2022

A língua ardendo pode acontecer após ingerir uma bebida muito quente, como café ou leite quente, que acaba queimando o revestimento da língua e causando a sensação de ardência e queimação. 

No entanto, esse sintoma também pode surgir sem uma razão aparente, podendo indicar algum problema de saúde como boca seca, infecção, deficiência nutricional ou ser indicativo da síndrome da boca ardente, que deve ser avaliada e tratada de acordo com a orientação médica.

Assim, sempre que a ardência na língua surge de repente, demora mais de 2 a 3 dias para desaparecer ou é acompanhada por outros sintomas como placas brancas na língua, mau cheiro ou sangramento, é aconselhado consultar um dentista ou um clínico geral, para avaliar a cavidade bucal e identificar a causa, iniciando o tratamento mais adequado.

1. Consumo de alimentos

O consumo de alimentos ou bebidas quentes, ácidas ou picantes podem ter como consequência a ardência na língua. A queimação surge porque ao se ingerir algo muito quente, a temperatura pode acabar provocando uma queimadura na língua, lábios, gengivas ou bochechas. Além disso, alimentos ácidos, como as frutas cítricas por exemplo ou comidas muito picantes, podem lesionar a língua e causar uma sensação de queimação.

Na maioria das vezes, essa queimadura é ligeira, mas pode causar desconforto e perda da sensibilidade por até 3 dias.

O que fazer: para aliviar os sintomas deve-se dar preferência para alimentos e bebidas frios, deixando os alimentos mais quentes para depois que os sintomas desaparecerem. Assim, pode-se deixar a comida esfriar antes de comer e evitar adicionar pimenta na comida e frutas ácidas, como o kiwi, abacaxi ou toranja, por exemplo. Além disso, deve-se manter uma boa higiene bucal e, se a queimadura, for muito grave, consultar um clínico geral.

2. Boca seca

A boca seca, também chamada de xerostomia, é uma situação em que as glândulas salivares não são capazes de produzir saliva em quantidade suficiente para manter a mucosa oral e a língua úmidas. Quando isso acontece, é normal o surgimento de uma sensação de ardência ou formigamento na língua.

Algumas das causas mais frequentes de boca seca incluem problemas nas glândulas salivares ou uso de alguns medicamentos, além de também poder ser consequência de doenças que comprometem o sistema imune, como síndrome de Sjögren e AIDS, diabetes e alterações hormonais, por exemplo. Conheça as principais causas de boca seca e o que fazer.

O que fazer: nesse caso, é recomendado aumentar o consumo de água ou ficar mascando uma chiclete sem açúcar, por exemplo, para estimular a produção da saliva. No entanto, quando a secura se mantém por muito tempo, deve-se consultar um clínico geral para identificar a causa e iniciar o tratamento mais adequado.

3. Falta de vitamina B

A falta de vitamina do complexo B pode causar inflamação da mucosa da boca, resultando em ardência na língua, gengivas e bochechas. Este tipo de carência é mais comum em pessoas que não fazem uma dieta variada ou que seguem um estilo de vida mais restrito de alimentos, como vegetarianos ou veganos, por exemplo.

O que fazer: o ideal é fazer sempre uma dieta bastante variada, aumentando o consumo de alimentos ricos em vitaminas do complexo B, como grãos integrais, folhas verdes, peixe, ovo e frutas, por exemplo. Conheça outros alimentos ricos em vitamina B.

É importante também que o médico seja consultado para que seja feita uma avaliação completa da quantidade de vitaminas e minerais disponíveis no corpo, verificando a necessidade de realizar algum tipo de suplementação.

4. Candidíase oral

A candidíase oral também pode provocar a sensação de ardência na língua, acontecendo principalmente quando não se tem uma higiene bucal adequada. Quando isso acontece, é comum que suja a sensação de formigamento ou ardência na língua, além de outros sinais como mau hálito e língua esbranquiçada. Saiba reconhecer a candidíase oral.

O que fazer: normalmente a infecção pode ser controlada com a higiene bucal adequada, pelo menos 2 vezes por dia. No entanto, se não desaparecer em 1 semana deve-se consultar um dentista ou clínico geral, já que pode ser necessário usar algum antifúngico para tratar a infecção.

5. Síndrome da boca ardente

A síndrome da boca ardente é uma condição rara na qual a sensação de queimação na língua, lábios, palato e outras áreas da boca surge sem qualquer razão aparente e pode durar por vários anos. Além disso, podem ainda surgir outros sinais como formigamento e alterações do paladar, afetando especialmente mulheres com mais de 60 anos.

Ainda não são conhecidas as causas desta síndrome, mas o excesso de estresse, a ansiedade e a depressão aprecem ser fatores que aumentam o risco de a desenvolver. Veja mais sobre a síndrome da boca ardente.

O que fazer: é importante que o dentista ou clínico geral seja consultado para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, que pode indicar o uso de enxaguantes bucais e remédios, como antidepressivos tricíclicos em doses baixas, benzodiazepinas ou anticonvulsivantes. O tratamento vai depender do exame físico, das análises e da história clínica da pessoa.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em setembro de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • KIM, Y.; et al. A pragmatic evidence-based clinical management algorithm for burning mouth syndrome. J Clin Exp Dent. 10. 4; e321-e326, 2018
  • NIH - NATIONAL INSTITUTE OF DENTAL AND CRANIOFACIAL RESEARCH. Burning Mouth Syndrome. 2021. Disponível em: <https://www.nidcr.nih.gov/health-info/burning-mouth>. Acesso em 02 jun 2022
Mostrar bibliografia completa
  • BOOKOUT, G. P.; ET AL.IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Burning Mouth Syndrome. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK519529/>. Acesso em 02 jun 2022
  • GÜMRÜ, Birsay . Oral Candidosis: Aetiology, Clinical Manifestations, Diagnosis and Management. Journal of Marmara University Institute of Health Sciences. Vol.1. 2.ed; 140-148, 2011
  • Afonso, Joana Cláudia dos Santos. Síndrome da boca ardente: diagnóstico e tratamento . Relatório de Estágio, 2016. Instituto Universitário de Ciências da Saúde - Mestrado Integrado em Medicina Dentária. Disponível em: https://repositorio.cespu.pt/handle/20.500.11816/2700 .
  • RUBERT, Aline et. al.. Vitaminas do complexo B: uma breve revisão. Revista Jovens Pesquisadores. Vol.7. 1.ed; 30-45, 2017
  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 63-67.
  • SILVA, Iomara Jossiérica de Oliveira et. al.. HIPOSSALIVAÇÃO • etiologia, diagnóstico e tratamento •. Revista Bahiana de Odontologia. 7. 2; 140-146, 2016
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.