Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

O que é a anisaquíase, sintomas e tratamento

A anisaquíase é uma doença infecciosa causada por um parasita do gênero Anisakis sp., que é encontrado principalmente em frutos do mar, como crustáceos, lula e peixes contaminados por esse parasita e, por isso, em culturas nas quais existe o hábito de ingerir comida crua, como no sushi da comida japonesa, por exemplo, há maior risco de se poder desenvolver a doença.

Quando as pessoas comem alimentos contaminados por esse parasita, as larvas podem atingir o estômago e o intestino, resultando em sintomas como dor abdominal forte, febre, náuseas e mal estar geral que podem aparecer algumas horas após consumir o sushi, por exemplo. Por isso, no caso de surgirem sintomas de infecção após comer sushi, é aconselhado consultar um clínico geral para identificar se existe presença de alguma larva deste parasita, iniciando o tratamento adequado.

O que é a anisaquíase, sintomas e tratamento

Principais sintomas

Os sintomas de infecção por Anisakis sp. podem surgir algumas horas após o consumo do alimento infectado, sendo os principais:

  • Dor abdominal forte;
  • Náuseas e vômitos;
  • Inchaço da barriga;
  • Diarreia;
  • Presença de sangue nas fezes;
  • Febre abaixo de 39ºC, constante.

Além disso, algumas pessoas também podem desenvolver sintomas típicos de reações alérgicas, como coceira e vermelhidão na pele, inchaço do rosto ou dificuldade para respirar.

Como confirmar o diagnóstico

O médico pode suspeitar de anisaquíase após avaliação dos sintomas e da história de cada pessoa, especialmente se a pessoa tiver consumido peixe cru ou sushi. No entanto, a única forma de confirmar o diagnóstico consiste em fazer uma endoscopia para observar a presença da larva no interior do estômago ou na porção inicial do intestino.

Durante a endoscopia, caso sejam identificadas larvas, o médico pode retirá-las utilizando um aparelho especial que chega até ao estômago através do tubo utilizado durante a endoscopia.

Como é feito o tratamento

Na maior parte dos casos, a infecção da larva Anisakis sp. é tratada durante a endoscopia. Para isso, o médico, após identificar o parasita, insere um aparelho especial pelo tubo do endoscópio de forma a chegar no estômago e remover as larvas.

Porém, quando isso não é possível ou quando a larva já se espalhou para o intestino, pode ser necessário tomar um vermífugo, chamado de Albendazol, durante 3 a 5 dias, para matar o parasita e eliminá-lo nas fezes. Em muitos casos, o corpo também acaba eliminando as larvas naturalmente e, por isso, muitas pessoas podem nem saber que já estiveram infectadas.

Já nos casos mais graves, em que a anisaquíase continua piorando após estes dois tratamento, pode ser aconselhado fazer cirurgia para retirar cada larva individualmente.

Ciclo biológico da anisaquíase

O que é a anisaquíase, sintomas e tratamento

A anisaquíase é causada pela larva Anisakis sp. e seu ciclo de vida começa quando alguns mamíferos aquáticos, como baleias ou leões marinhos infectados, defecam no mar, liberando ovos que acabam por se desenvolver e formar novas larvas. Essas larvas, são depois ingeridas por crustáceos, que acabam sendo comidos por lulas e peixes, ficando também infectados.

Quando esses peixes são capturados, as larvas continuam crescendo na sua carne e, por isso, caos sejam ingeridos crus, as larvas passarão a viver dentro do estômago e do intestino da pessoa que ingeriu a carne de peixe infectada.

Como evitar a anisaquíase

A melhor forma de evitar a infecção por este tipo de larva consiste em cozinhar o peixe e a lula em temperaturas superior a 65º C. No entanto, quando é necessário consumir o peixe cru, como no sushi, é recomendado ter alguns cuidados de armazenamento.

Para armazenar o peixe antes de comer deve-se congelá-lo, seguindo as seguintes orientações:

  • Congelar e guardar a - 20º C: até 7 dais;
  • Congelar e guardar a - 35ª C: por menos de 15 horas;
  • Congelar a - 35º C e guardar a - 20ºC: até 25 horas.

O tipo de peixe mais afetado por esta larva, geralmente, é o salmão, a lula, o bacalhau, o arenque, a cavala, o alabote e as anchovas.

Além disso, a larva normalmente tem mais de 1 cm e, por isso, pode ser observada na carne do peixe. Dessa forma, se se estiver comendo em um restaurante de sushi, por exemplo, deve-se estar atento às peças antes de comer.

Bibliografia >

  • AIBINU, Ibukun E. et al. Anisakis Nematodes in Fish and Shellfish - from infection to allergies. IJP: Parasites and Wildlife. 384-393, 2019
  • MAZZUCO, Walter. Anisakis sensitization in different population groups and public health impact: A systematic review. PLoS ONE. Vol 13. 9 ed;
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem