Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Vaginose bacteriana na gravidez: o que é e sintomas

A vaginose bacteriana é uma das infecções mais frequentes durante a gravidez e, normalmente, acontece devido à alterações hormonais que causam um desequilíbrio nas bactérias vaginais, gerando sintomas como cheiro mais fétido e corrimento acizentado.

Embora esta infecção não afete o desenvolvimento do bebê, pode aumentar o risco de ter um parto prematuro ou até de o bebê nascer com baixo peso, por exemplo. Assim, caso surja alguma alteração vaginal é muito importante consultar o obstetra ou o ginecologista para identificar se existe algum problema e iniciar o tratamento mais adequado.

Vaginose bacteriana na gravidez: o que é e sintomas

Principais sintomas

Na maioria dos casos a vaginose bacteriana não causa qualquer sintoma e, por isso, muitas mulheres acabam descobrindo a infecção apenas durante um exame de rotina no ginecologista ou no obstetra.

Porém, outras mulheres podem apresentar sintomas como:

  • Cheiro fétido, semelhante a peixe podre;
  • Corrimento branco ou acizentado;
  • Queimação ao urina;
  • Vermelhidão e coceira na região genital.

Estes sintomas também podem ser confundidos com uma candidíase e, por isso, é muito importante fazer o diagnóstico no médico, já que ambos os problemas possuem tratamento diferentes. Confira os sintomas de candidíase e como tratar esses casos.

Como confirmar o diagnóstico

O médico pode chegar no diagnóstico de vaginose bacteriana apenas através da avaliação dos sintomas apresentados pela gestante, no entanto, também pode ser feito um exame ao corrimento, para avaliar se existem bactérias.

Como é feito o tratamento

O tratamento para vaginose bacteriana deve ser sempre orientado pelo obstetra ou ginecologista e, normalmente é feito quando a grávida tem sintomas ou apresenta um grande risco de ter um parto prematuro, por exemplo.

Assim, o tratamento pode ser feito com o uso de antibióticos orais, como Clindamicina ou Metronizadol, por 7 dias ou com a aplicação de antibióticos em pomada por cerca de 5 dias. O tempo de tratamento deve ser respeitado de acordo com as indicações do médico, mesmo que os sintomas desapareçam antes.

O que fazer para não ficar com vaginose

Uma vez que a vaginose surge devido às alterações naturais da flora vaginal durante a gravidez, não existe uma forma específica de prevenir o surgimento desta infecção. No entanto, alguns cuidados que podem ajudar a evitar o seu surgimento parecem ser:

  • Utilizar preservativo caso se tenha mais do que um parceiro sexual;
  • Fazer uma higiene íntima adequada;
  • Não fazer duchas vaginais sem indicação do médico.

Além disso, mulheres que fumam também parecem apresentar um risco aumentado de vaginose, por isso, durante a gravidez é muito importante evitar o cigarro, não só por causa da vaginose, mas para garantir um melhor desenvolvimento do bebê.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...