Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Qual o tamanho normal do útero?

Outubro 2020

O tamanho normal do útero durante a idade fértil pode variar entre 6,5 a 10 centímetros de altura por cerca de 6 centímetros de largura e 2 a 3 centímetros de espessura, apresentando uma forma semelhante a uma pera invertida, o que pode ser avaliado através de uma ultrassonografia.

No entanto, o útero é um órgão muito dinâmico e, por isso, seu tamanho e volume podem variar bastante ao longo de toda a vida da mulher, especialmente devido às alterações hormonais comuns das várias fases da vida, como puberdade, gravidez ou menopausa, por exemplo.

Porém, as variações no tamanho do útero também podem ser sinal de algum problema de saúde, principalmente quando a alteração é muito grande ou surge acompanhada de outros sintomas. Algumas condições que podem alterar o tamanho do útero incluem a presença de miomas, a adenomiose ou a neoplasia trofoblástica gestacional.

Qual o tamanho normal do útero?

Quando é normal existir alteração no tamanho?

As alterações no tamanho do útero consideradas normais durante fases da vida como:

1. Gravidez

Durante a gravidez o útero aumenta de tamanho para poder acomodar o bebê em crescimento, voltando ao tamanho normal, após o parto. Veja como é o crescimento do bebê ao longo da gravidez.

2. Puberdade

Desde os 4 anos de idade, altura em que o útero apresenta o mesmo tamanho que o colo uterino, o tamanho do útero vai aumentando proporcionalmente à idade, sendo que, quando a menina entra na puberdade, esse aumento é mais significativo, mais concretamente durante o período em que ocorre a primeira menstruação.

3. Menopausa

Após a menopausa é normal que o útero diminua de tamanho, devido à diminuição da estimulação hormonal, característica desta fase. Veja outras alterações que podem ocorrer durante a entrada na menopausa.

Doenças que alteram o tamanho do útero

Embora seja raro, alterações no tamanho do útero podem ser um sinal de que a mulher apresenta alguma condição de saúde. Assim, é muito importante ir ao ginecologista, pelo menos, uma vez por ano, de forma a detetar possíveis alterações. Algumas das doenças que podem causar alterações no tamanho do útero são:

1. Miomas uterinos

Os miomas uterinos, também conhecidos por fibromas, são tumores benignos que se formam no tecido do útero, podendo apresentar dimensões tão grandes, que acabam por alterar o tamanho do útero. Geralmente, os miomas uterinos não causam sintomas, porém, se apresentarem um tamanho considerável, podem causar cólicas, sangramento e dificuldade para engravidar.

2. Adenomiose

A adenomiose uterina caracteriza-se por um espessamento das paredes do útero, causando sintomas como dor, sangramento ou cólicas, que ficam mais intensos durante a menstruação, e dificuldade para engravidar. Saiba como identificar os sintomas da adenomiose e veja como é feito o tratamento.

3. Neoplasia trofoblástica gestacional

A neoplasia trofoblástica gestacional é um tipo de câncer que embora seja raro, pode surgir após uma gravidez molar, que é uma condição rara onde, durante a fecundação, ocorre um erro genético, que dá origem a um emaranhado de células, que pode dar origem a um aborto espontâneo ou a um feto com malformações.

4. Malformações uterinas

O útero infantil e o útero bicorno, são malformações uterinas que impedem que o útero apresente um tamanho normal. O útero infantil, também conhecido como útero hipoplástico ou hipogonadismo hipotrófico, caracteriza-se por uma má formação congênita, em que o útero não se desenvolve completamente, mantendo o mesmo tamanho que tinha durante a infância.

O útero bicorno também é uma anomalia congênita. em que o útero, em vez de apresentar um formato de pera, tem uma morfologia em que existe uma membrana que o divide em duas partes. Saiba como é o diagnóstico e o tratamento.

Bibliografia >

  • FILHO, Francisco Mauad. Avaliação Ultra-sonográfica das Variações do Volume Uterino. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. . Vol.23. 3.ed; 2001
  • Ecografia ginecológica. 2011. Disponível em: <http://www.fspog.com/fotos/editor2/cap_40.pdf>. Acesso em 20 Jul 2020
  • FILHO, Francisco Mauad. Volume uterino em adolescentes avaliado pela ultra-sonografia. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. . Vol.25. 9.ed; 2003
  • TEXAS CHILDREN´S HOSPITAL. Uterine Hypoplasia. Disponível em: <https://www.texaschildrens.org/health/uterine-hypoplasia>. Acesso em 29 Ago 2019
  • CARDOZO, Renan F. O volume do colo uterino na gravidez: comparação entre afeirição sonográfica bidimensional e tridimensional. Tese de mestrado, 2018. Fundação Oswaldo Cruz - Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira.
  • CASIKAR, I.; MONGELLI, M.; REID, S.; CONDOUS, G. Estimation of uterine volume: A comparison between Viewpoint and 3D ultrasound estimation in women undergoing laparoscopic hysterectomy. Australas J Ultrasound Med. Vol 18. 1 ed; 27-32, 2015
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem