Riscos da gravidez na adolescência

janeiro 2019

A gravidez na adolescência representa risco tanto para a mãe quanto para o bebê, uma vez que a adolescente não está completamente preparada fisicamente e psicologicamente para uma gestação. Dessa forma, toda gravidez em meninas entre 10 e 18 anos são consideradas de risco, pois há maior chance do bebê nascer com baixo peso, prematuro ou a mulher sofrer aborto espontâneo.

É importante que a família, a escola e o médico ginecologista orientem a menina assim que comece a ter vida sexual ativa, pois assim é possível evitar a gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis.

Riscos da gravidez na adolescência

A gravidez na adolescência é sempre considerada uma gravidez de risco, já que a adolescente nem sempre está preparada fisicamente para a gestação, o que pode representar risco tanto para a menina quanto para o bebê. Os principais riscos da gravidez na adolescência são:

  • Pré-eclâmpsia e eclâmpsia;
  • Parto prematuro;
  • Bebê com baixo peso ou subnutrido;
  • Complicações no parto, que pode levar à uma cesária;
  • Infecção urinária ou vaginal;
  • Aborto espontâneo;
  • Alterações no desenvolvimento do bebê;
  • Má formação fetal;
  • Anemia.

Além disso, a gravidez na adolescência aumenta o risco de óbito da gestante, além do risco de depressão pós-parto e rejeição ao bebê.

Além da idade, o peso da adolescente também pode significar um risco, já que uma adolescente que pesa menos de 45 quilos apresenta maiores chances de gerar um bebê pequeno para a idade gestacional.

A obesidade também representa um risco, pois aumenta o risco de diabetes e de hipertensão arterial durante a gravidez. Se a altura da adolescente for inferior a 1,60 cm, ocorre uma maior probabilidade de ter um quadril pequeno, o que aumenta as chances de trabalho de parto prematuro e de dar à luz a um bebê muito pequeno por atraso de crescimento intrauterino. Saiba quais são as consequências da gravidez na adolescência.

Como evitar a gravidez na adolescência

Para evitar a gravidez indesejada, é importante que os adolescentes utilizem camisinha em todo contato íntimo, impedindo não só a gravidez mas também a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

No caso das meninas, é importante ir ao ginecologista quando a vida sexual começa a ser ativa, pois assim o médico poderá indicar qual o melhor método contraceptivo, além da camisinha, para ser utilizado. Conheça os principais métodos contraceptivos.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em janeiro de 2019.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.