Macroplaquetas: o que são, principais causas e como identificar

As macroplaquetas, também chamadas de plaquetas gigantes, correspondem a plaquetas de tamanho e volume superior ao normal de uma plaqueta, que possuem cerca de 3 mm e volume de 7.0 fl em média. Essas plaquetas de tamanho maior normalmente são indicativas de alteração no processo de ativação e produção plaquetária, podendo acontecer como consequência de problemas cardíacos, diabetes ou condições hematológicas, como leucemia e síndromes mieloproliferativas.

A avaliação do tamanho das plaquetas é feita por meio da observação do esfregaço sanguíneo no microscópio e do resultado do hemograma, em que deve constar a quantidade e o volume de plaquetas.

Macroplaquetas: o que são, principais causas e como identificar

Principais causas de macroplaquetas

A presença de macroplaquetas circulantes no sangue é indicativa de estimulação do processo de ativação plaquetária, podendo ser causada por várias situações, sendo as principais:

  • Hipertireoidismo;
  • Doenças mieloproliferativas, como trombocitemia essencial, mielofibrose e policitemia vera;
  • Púrpura trombocitopênica idiopática;
  • Diabetes Mellitus;
  • Infarto Agudo do Miocárdio;
  • Leucemia;
  • Síndrome Mielodisplásica;
  • Síndrome de Bernard-Soulier.

As plaquetas maiores que o normal apresentam maior nível de atividade e potencial reativo, além de favorecerem processos trombóticos, já que possuem maior facilidade de agregação plaquetária e formação de trombo, o que pode ser bastante grave.

Assim, é importante que seja feitos exames para que se saiba a quantidade de plaquetas circulantes e as suas características. Caso sejam verificadas alterações, é importante identificar a causa das macroplaquetas para que se possa iniciar o tratamento mais adequado. Saiba mais sobre as plaquetas.

Como é feita a identificação

A identificação das macroplaquetas é feita por meio de exame de sangue, mais especificamente do hemograma, em que são avaliados todos os componentes do sangue, incluindo as plaquetas. A avaliação das plaquetas envolve a verificação da quantidade circulante, cujo valor normal é entre 150000 e 450000 plaquetas/ µL, e da qualidade das plaquetas circulantes

Essas características são observadas tanto através do microscópico quanto do por meio do VPM (Volume Plaquetário Médio), que é um parâmetro laboratorial que indica o volume das plaquetas e, assim, é possível saber se estão maiores do que o normal e o nível de atividade plaquetária.

Normalmente, quanto maior o VPM, maiores são as plaquetas e menor é a quantidade total de plaquetas circulantes no sangue, isso porque as plaquetas são produzidas e destruídas rapidamente. Apesar de ser um parâmetro importante para verificar alterações plaquetárias, os valores de VPM são difíceis de padronizar e podem sofrer interferência de outros fatores.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • BVS - ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE. Quais as possíveis patologias associadas à presença de plaquetas aumentadas como achado casual e como confirmar?. Disponível em: <https://aps.bvs.br/aps/quais-as-possiveis-patologias-associadas-a-presenca-de-plaquetas-aumentadas-como-achado-casual-e-quais-os-proximos-passos-para-confirmar/>. Acesso em 22 Ago 2019
  • CEACLIN. Plaquetas. Disponível em: <http://www.ceaclin.com.br/exames/plaquetas.shtml>. Acesso em 22 Ago 2019
  • WENDLAND, Andrea Elisabet; FARIAS, Mariela G.; MANFROI, Waldomiro Carlos. Volume plaquetário médio e doença cardiovascular. Revista Brasileira de Patologia Laboratorial. Vol 45. 5 ed; 371-378, 2009
  • MONTEIRO, Leila. Valores de referência dos índices plaquetários e construção de algoritmo para liberação do plaquetograma. Revista Brasileira de Análises Clínicas. Vol 49. 3 ed; 363 - 367, 2017
Mais sobre este assunto: