Leucemia linfóide crônica (LLC): o que é, sintomas e tratamento

agosto 2022

A leucemia linfóide crônica é um câncer das células sanguíneas, que afeta os glóbulos brancos sanguíneos, chamados de linfócitos, que são responsáveis pela defesa natural do corpo no combate a infecções.

Esse tipo de leucemia, também conhecida como LLC ou leucemia linfocítica crônica, é caracterizada pelo produção descontrolada de linfócitos anormais na medula óssea que passam para a corrente sanguínea, podendo se acumular em alguns órgãos, e levar ao surgimento de sintomas como aumento dos gânglios linfáticos, perda de peso e cansaço excessivo, por exemplo.

A LLC é normalmente diagnosticada a partir dos 70 anos, isso porque a doença possui evolução lenta, sendo os sintomas geralmente percebidos quando a doença já está em uma fase mais avançada. Por causa da demora do aparecimento dos sintomas, a doença é normalmente identificada durante exames de sangue de rotina, principalmente hemograma, em que pode ser identificado o aumento no número de linfócitos.

Sintomas de leucemia linfocítica crônica

Os principais sintomas da leucemia linfóide crônica são:

  • Ínguas que podem surgir em qualquer parte do corpo, sendo mais comum no pescoço, axilas ou virilha;
  • Cansaço excessivo;
  • Fraqueza;
  • Falta de ar;
  • Pele pálida;
  • Sangramentos ou hematomas frequentes;
  • Aumento do baço, também chamado de esplenomegalia;
  • Dor abdominal, devido ao aumento do fígado;
  • Sensação de estômago cheio, mesmo após comer pouco;
  • Inchaço na barriga;
  • Suor noturno;
  • Perda de peso;
  • Febre;
  • Calafrios.

Além disso, é comum a pessoa apresentar infecções recorrentes de pele, urina ou pulmões, uma vez que os linfócitos, que são responsáveis por produzir anticorpos que ajudam a combater infecções, não estão funcionando adequadamente.

A LLC desenvolve-se ao longo de meses ou anos e, por isso, os sintomas surgem gradualmente, sendo a doença muitas vezes identificada quando já se encontra em uma fase mais avançada.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da leucemia linfóide crônica é feito pelo clínico geral ou hematologista através da avaliação do hemograma, que é um exame de sangue que avalia a quantidade de células sanguíneas. Geralmente, na LLC, o hemograma apresenta aumento no número de linfócitos, especialmente de linfócitos B, e leucócitos. Veja quais são os valores de referência do hemograma.

Além disso, o médico pode solicitar testes de imunofenotipagem para avaliar se o aumento da quantidade de linfócitos é causada pela LLC ou por algum tipo de infecção no corpo. Outro exame que o médico pode solicitar para confirmar a LLC é o teste de FISH, que permite avaliar alterações no DNA.

No caso do médico confirmar a LLC, antes de iniciar o tratamento, pode ser solicitada a realização de uma biópsia da medula óssea, chamado de mielograma, para verificar o estágio da LLC, acompanhar a evolução da doença, e para definir o prognóstico. Esse exame pode ser repetido algumas vezes durante o tratamento. Entenda como é feito o mielograma.

Possíveis causas

A causa exata da leucemia linfóide crônica é desconhecida, no entanto, ocorre devido a alterações ou mutações no DNA das células que produzem os linfócitos, que passam a se multiplicar de forma descontrolada.

Alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento da LLC, como:

  • Histórico familiar de LLC;
  • Exposição frequente a produtos químicos, como benzeno;
  • Exposição à radiação;
  • Hábito de fumar.

Além disso, a leucemia linfóide crônica é mais comum de surgir após os 70 anos, mas também pode afetar adultos a partir dos 30 anos, e raramente afeta crianças.

Como é feito o tratamento

O tratamento da leucemia linfóide crônica deve ser feito com orientação do oncologista ou onco-hematologista, e varia de acordo com o estágio da doença, podendo ser indicado acompanhamento médico, a cada 3 meses, especialmente nos estágios iniciais e no caso da pessoa não apresentar sintomas de LLC.

No entanto, quando se apresenta sintomas da LLC ou o estágio da doença está mais avançado, o médico pode recomendar o tratamento com:

  • Quimioterapia, com fludarabina, ciclofosfamida, clorambucil ou bendamustina;
  • Corticóides, como prednisona, metilprednisolona ou dexametasona;
  • Imunoterapia, com anticorpos monoclonais, como rituximabe, ofatumumabe, obinutuzumabe ou alemtuzumab;
  • Terapia alvo, com ibrutinib, acalabrutinib, idelalisib, duvelisib ou venetoclax;
  • Cirurgia, chamada esplenectomia, para remoção do baço;
  • Radioterapia, para o tratamento do inchaço em órgãos como baço, ou para reduzir a dor óssea.

Além disso, o médico pode indicar o transplante de medula óssea, especialmente nos casos de LLC recaídas ou quando os outros tratamentos não foram eficazes para a doença entrar em remissão. Veja como é feito o transplante de medula óssea.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • MUKKAMALLA, S. K. R.; ET AL. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Chronic Lymphocytic Leukemia. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK470433/>. Acesso em 17 ago 2022
  • CHIORAZZI, N.; et al. Chronic Lymphocytic Leukemia. Cold Spring Harb Perspect Med. 11. 2; a035220, 2021
Mostrar bibliografia completa
  • IOVINO, L.; SHADMAN, M. Novel Therapies in Chronic Lymphocytic Leukemia: A Rapidly Changing Landscape. Curr Treat Options Oncol. 21. 4; 24, 2020
  • KIKUSHIGE, Y. Pathogenesis of chronic lymphocytic leukemia and the development of novel therapeutic strategies. J Clin Exp Hematop. 60. 4; 146-158, 2020
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • CÂNCER, QUIMIOTERAPIA e PRISÃO de VENTRE | Tati Comenta #01

    12:43 | 24896 visualizações
  • TRATAMENTO do CÂNCER: como aliviar os EFEITOS COLATERAIS

    14:07 | 82941 visualizações