Jejum: como fazer, benefícios e principais tipos

fevereiro 2022

O jejum é caracterizado por ser um período de horas ou dias em que não há o consumo de alimentos e / ou líquidos, podendo ser feito para fins religiosos ou ser indicado para finalidades de saúde, como tratamento de epilepsia ou realização de alguns exames, como de sangue ou endoscopia.

É importante que o jejum seja feito sob a orientação de um médico, ou nutricionista, para uma orientação mais adequada do que consumir antes e após o jejum e para evitar deficiências nutricionais e complicações para a saúde.

Além de ser indicado no tratamento de algumas doenças ou para realização de exames, o jejum, principalmente o jejum intermitente, é também uma ferramenta terapêutica que pode ser usada para melhorar o metabolismo do organismo, diminuir o estresse oxidativo e a inflamação, favorecendo o emagrecimento e auxiliando na prevenção de algumas situações, como envelhecimento precoce, pressão alta e diabetes. Conheça todos os benefícios do jejum intermitente para a saúde.

Como fazer o jejum

Para fazer o jejum é fundamental passar por uma consulta com um médico ou nutricionista para que seja avaliado o estado de saúde geral e sejam indicadas as orientações nutricionais, que variam de acordo com os objetivos de cada um.

No jejum para realizar exames, como exame de sangue, endoscopia ou colonoscopia, a recomendação geralmente é ficar entre 2 e 12 horas sem comer, podendo ser recomendado também excluir os líquidos durante este período, dependendo do tipo de exame.

Por outro lado, no jejum intermitente também é importante excluir da dieta os alimentos ultraprocessados, ricos em açúcar e gordura, como bolo, sorvete, doces, frituras e refeições do tipo fast food alguns dias antes de iniciar o jejum, que pode ter duração total de 16 a 36 horas. Confira todas as orientações para fazer o jejum intermitente.

A orientação para o jejum religioso varia de acordo com o tipo da prática religiosa, podendo ser recomendado consumir somente alguns tipos de alimentos ou excluir todos os alimentos e / ou líquidos da dieta.

Tipos de jejum

O jejum pode ser realizado para fins religiosos ou ainda com finalidades de saúde, como, emagrecer ou no preparo de alguns tipos de exames.

1. Jejum religioso

O jejum religioso geralmente é praticado com o objetivo de melhorar o estado de consciência, a conexão com o divino e o bem estar geral, variando de acordo com o tipo de religião que se pratica.

Na religião muçulmana, por exemplo, o jejum é praticado durante o Ramadan, onde geralmente fica-se um período de 12 horas sem comer e beber, alternando com um período de 12 horas de alimentação e hidratação. No entanto, durante o Ramadan geralmente não se faz restrição de alimentos nos períodos após o jejum.

Já na religião cristã ortodoxa grega e no jejum de Daniel, somente alguns tipos de alimentos são excluídos da alimentação por alguns dias, onde geralmente se mantém uma dieta do tipo vegetariana.

2. Jejum terapêutico

O jejum terapêutico pode ser usado para melhorar o metabolismo do organismo, diminuindo o estresse oxidativo e a inflamação, promovendo o emagrecimento e auxiliando na prevenção e tratamento de algumas situações, como envelhecimento precoce, síndrome metabólica, pressão alta e diabetes.

Além disso, o jejum pode melhorar as funções das células do sistema nervoso central e, por isso, também pode ser indicado para ajudar no tratamento da epilepsia.

3. Jejum para exames

O jejum para a realização de exames geralmente é feito com a exclusão total de alimentos ou líquidos entre 2 e 12 horas, como no caso do jejum para o exame de sangue para avaliar o hemograma, o colesterol e a glicose.

Outros exames que avaliam o trato digestivo, como a endoscopia, ultrassonografia abdominal e colonoscopia, também precisam de jejum de alimentos ou líquidos entre 4 a 12 horas.

Principais benefícios do jejum

Os benefícios do jejum estão principalmente relacionados com o jejum intermitente, desde que realizado conforme a orientação do médico ou nutricionista, já que é possível haver diminuição do estresse oxidativo, da inflamação e melhora do metabolismo no organismo. Assim, os principais benefícios desse tipo de jejum são:

  • Prevenir o envelhecimento precoce, pois ajuda a combater o excesso de radicais livres, um dos responsáveis pelos danos causados às células saudáveis do organismo;
  • Evitar a diabetes tipo 2, já que melhora as funções da insulina, o hormônio responsável por equilibrar os níveis de glicose no sangue;
  • Promover o emagrecimento, pois o jejum estimula o uso das reservas de açúcar e obriga o corpo a usar as células de gordura para fornecer energia, contribuindo para a perda de peso. Veja como o jejum ajuda no emagrecimento;
  • Evitar doenças do coração, porque diminui as inflamações e combate os radicais livres, promovendo a saúde das artérias equilibrando os níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue.

O jejum também diminui a inflamação, que melhora as funções das bactérias benéficas do intestino, equilibrando a flora intestinal e prevenindo situações, como diarreia e prisão de ventre.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns do jejum incluem cansaço, insônia, náusea, dor de cabeça, aumento do volume de urina, má digestão, arrotos, dor ou desconforto no abdômen e fraqueza muscular.

Além disso, o jejum feito por várias semanas ou meses pode levar a alguns efeitos mais graves, como dificuldades para evacuar ou eliminar gases, inchaço da barriga, alterações dos batimentos do coração, pedras nos rins e morte.

Quem não deve fazer

O jejum não é indicado para pessoas com anemia, diabetes tipo 1, pressão baixa ou insuficiência renal ou hepática. Da mesma forma, o jejum não é indicado para idosos e pessoas com histórico de anorexia, bulimia, compulsão alimentar ou com pouco peso.

As crianças não devem fazer o jejum, por estarem em uma fase em que o organismo precisa de mais nutrientes para a formação e desenvolvimento. O jejum também não é indicado para gestantes e mulheres que amamentam.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em fevereiro de 2022.

Bibliografia

  • TREPANOWSKI, F, John; BLOOMER, J, Richard. The impact of religious fasting on human health. Nutrition Journal. Vol.9. 57.ed; 1-9, 2010
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO BANDEIRA DE MELO. Manual de orientações para o preparo de exames laboratoriais. 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/ebserh/pt-br/hospitais-universitarios/regiao-nordeste/hujb-ufcg/acesso-a-informacao/gestao-documental/gerencia-de-atencao-a-saude/MA.UAD.004ORIENTAESDEPREPAROPARAEXAMESAMBULATORIAIS.pdf>. Acesso em 30 dez 2021
Mostrar bibliografia completa
  • LONGO, D, Valter; MATTSON, P, Mark. Fasting: Molecular Mechanisms and Clinical Applications. Cell Metabolism. Vol.19. 2.ed; 181–192, 2014
  • PHILLIPS, C, L, Matthew . Fasting as a Therapy in Neurological Disease. Nutrients. Vol.11. 10.ed; 1-24, 2019
  • TOLEDO, F, Wilhelmi et al. Fasting Therapy - an Expert Panel Update of the 2002 Consensus Guidelines. Karger. vol.20. 6.ed; 434–443, 2013
  • ATTINÀ, Alda et al. Fasting: How to Guide. Nutrients. Vol.13. 5.ed; 1-19, 2021
  • ANTON, D, Stephen et al. Flipping the Metabolic Switch: Understanding and Applying Health Benefits of Fasting. Obesity. Vol.26. 2.ed; 254–268, 2018
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • Jejum Intermitente: 5 dicas para emagrecer de vez

    15:46 | 97455 visualizações
  • Como queimar gordura com JEJUM INTERMITENTE

    14:55 | 630702 visualizações
  • O jeito certo de fazer JEJUM para emagrecer e queimar gordura

    11:53 | 1117970 visualizações
  • Experimente o JEJUM INTERMITENTE que funciona!

    12:48 | 1288349 visualizações
  • JEJUM INTERMITENTE: funciona para você?

    05:44 | 206249 visualizações