Endometriose e gravidez: riscos e o que fazer

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
julho 2022

A endometriose na gravidez é uma situação que pode interferir diretamente no desenvolvimento da gestação, principalmente se se tratar de uma endometriose profunda.

É importante que mulheres grávidas com endometriose sejam acompanhadas regulamente pelo ginecologista-obstetra para prevenir complicações.

Os principais riscos da endometriose na gravidez são:

  • Maior probabilidade de aborto;
  • Parto prematuro;
  • Aumento do risco de ruptura das veias que irrigam o útero;
  • Possibilidade de complicações relacionadas com a placenta;
  • Maior risco de eclâmpsia;
  • Necessitar de uma cesária;
  • Aumento da chance de gravidez ectópica, que é quando a gravidez acontece fora do útero.

A endometriose é uma condição na qual o tecido que reveste o útero, chamado de endométrio, cresce em outros locais do abdômen, como ovários, bexiga ou intestino, gerando sintomas como dor pélvica intensa, menstruação muito abundante e, em alguns casos, infertilidade. Conheça mais sobre a endometriose.

O que fazer

É importante que a mulher seja acompanhada regularmente pelo médico, pois assim é possível que o médico verifique se há riscos e, assim, possa indicar o melhor tratamento. Na maioria dos casos não é necessário tratamento específico, havendo melhora dos sintomas, em alguns casos, no final da gravidez. A cirurgia para endometriose só é indicada quando há risco de morte da mãe ou do bebê.

Apesar de alguns casos a mulher ter melhora dos sintomas ao longo da gestação, outras podem experienciar uma piora dos sintomas particularmente durante os primeiros meses.

Melhora dos sintomas

Não se sabe ao certo o que provoca esta melhora, mas acredita-se que os efeitos benéficos se devem aos altos níveis de progesterona que são produzidos durante a gravidez, que contribui para a redução do crescimento e desenvolvimento das lesões da endometriose, tornando-as menos ativas. Os efeitos benéficos também podem estar relacionados com a ausência da menstruação durante o período de gestação.

Para mulheres que sintam melhoras da endometriose durante a gravidez, é bom saber que esses efeitos benéficos são apenas temporários, e que os sintomas de endometriose podem voltar após a gravidez. No entanto, durante a amamentação também pode ocorrer diminuição dos sintomas, já que ela inibe a liberação de estrogênio pelos ovários, suprimindo assim a ovulação e o crescimento e desenvolvimento da endometriose.

Piora dos sintomas

Por outros lado, a piora dos sintomas nos primeiros meses, pode dever-se ao rápido crescimento do útero, que pode provocar repuxamento das lesões do tecido, ou aos altos níveis de estrogênio, que também podem piorar os sintomas.

A endometriose dificulta a gravidez?

Em alguns casos, a endometriose pode dificultar a gravidez, principalmente quando o tecido endometrial se liga às trompas e impede a passagem do óvulo maduro para o útero, impedindo a concepção. No entanto, há relatos de várias mulheres que conseguiram engravidar naturalmente mesmo tendo endometriose, pois seus ovários e trompas não foram afetados pela doença e sua fertilidade ficou preservada.

Entretanto, algumas mulheres que sofrem de endometriose, precisam estimular a ovulação com tratamentos, para conseguir engravidar. Veja mais informações sobre engravidar com endometriose.

Assista o vídeo com a Dra. Helizabet Ribeiro, ginecologista especializada em endometriose que esclarece todas as dúvidas sobre a essa doença:

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em julho de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.