Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Cateter PICC: o que é, para que serve, cuidados e complicações

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro
dezembro 2022

O cateter PICC, ou cateter venoso central de inserção periférica, é um tubo de silicone, flexível, fino e longo que é introduzido na veia do braço até chegar na veia do coração e serve para administração de medicamentos como antibióticos, quimioterapia e soro.

O PICC é um tipo de cateter que dura até 6 meses e normalmente é indicado para pessoas que fazem tratamento de longa duração, com medicamentos injetáveis, e que precisam coletar sangue várias vezes.

O procedimento de implantação do PICC é feito sob anestesia local em um ambulatório e a pessoa pode ir para casa ao final do procedimento, sendo apenas recomendado que sejam seguidas algumas orientações para evitar infecção e outras complicações.

Imagem ilustrativa número 2

Para que serve

O cateter PICC é indicado nas seguintes situações:

  • Tratamento de câncer: serve para aplicação de quimioterapia diretamente na veia;
  • Nutrição parenteral: é o fornecimento de nutrientes líquidos pela veia, por exemplo, em pessoas com problemas do sistema digestivo;
  • Tratamento de infecções graves: consiste na administração de antibióticos, antifúngicos ou antivirais pela veia;
  • Exames com contraste: serve para administração de contrastes injetáveis de iodo, gadolínio ou bário;
  • Coleta de sangue: realização de exames de sangue em pessoas com veias frágeis no braço;
  • Transfusão de sangue ou plaquetas, desde que o médico autorize e que sejam realizados cuidados de enfermagem, como lavagem com soro fisiológico.

O cateter PICC é recomendado para pessoas que necessitam realizar algum tipo de procedimento que dura muito tempo, de forma que evita que seja necessária a colocação e remoção várias vezes de cateter durante o período de tratamento ou do procedimento, o que pode causar dor e ser bastante desconfortável.

Este tipo de cateter não é indicado para pessoas que tenham problemas de coagulação, malformações nas veias, marcapasso cardíaco, queimaduras ou feridas no local onde será inserido. Além disso, pessoas que fizeram mastectomia, ou seja, que retiraram uma mama, só poderão usar o PICC do lado oposto em que fez a cirurgia anteriormente. Veja mais como é a recuperação após retirada da mama

Como é feito

A implantação do cateter PICC pode ser feito por um médico cardiovascular ou enfermeiro habilitado, dura em média uma hora e pode ser feito em um ambulatório, não sendo necessário a internação em um hospital. Antes de começar o procedimento, a pessoa é acomodada em uma maca, tendo que ficar com os braços esticados.

Depois disso, é realizada uma antissepsia para limpar a pele e é aplicada a anestesia no local onde será inserido o cateter que, na maioria das vezes, é na região do antebraço não dominante, perto da dobra. O médico ou enfermeiro poderá usar ultrassom durante todo procedimento para visualizar o trajeto e o calibre da veia. 

Em seguida, é introduzida a agulha na veia e dentro dela é inserido o tubo flexível, que vai até a veia do coração, não causando dor à pessoa. Após a introdução do tubo, é possível verificar que fica uma pequena extensão para fora, que é onde serão administrados os medicamentos.

Ao final, será feito um raio X para confirmar a localização do cateter e é realizado um curativo na pele, para evitar infecções, assim como é feito após a realização de cateter venoso central. Saiba mais o que é cateter venoso central

Principais cuidados 

Alguns cuidados que devem ser seguidos em caso quando se está o cateter PICC são:

  • Durante o banho, é preciso proteger a região do cateter com plástico filme;
  • Não fazer força com o braço, evitando pegar ou arremessar objetivos pesados;
  • Não mergulhar no mar ou piscina;
  • Não fazer verificação da pressão arterial no braço onde está o cateter;
  • Verificar presença de sangue ou secreção no local do cateter;
  • Manter o curativo sempre seco.

Além disso, quando o cateter PICC é utilizado no hospital ou clínica para o tratamento, são realizados cuidados pela equipe de enfermagem como lavagem com soro fisiológico, verificação de retorno de sangue pelo cateter, observação de sinais que indiquem infecção, troca da tampa na ponta do cateter e troca do curativo a cada 7 dias.

Possíveis complicações

O cateter PICC é seguro, entretanto, em alguns casos, pode acontecer algumas complicações, como sangramentos, arritmia cardíaca, coágulos de sangue, trombose, infecção ou obstrução. Estas complicações podem ser tratadas, mas muitas vezes, o médico recomenda a retirada do cateter PICC para evitar que surjam outros problemas de saúde.

Por isso, se aparecerem alguns destes sinais, ou se apresentar febre, falta de ar, palpitações, inchaço no local ou se acontecer algum acidente e sair uma parte do cateter é preciso entrar em contato com médico imediatamente.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em dezembro de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em dezembro de 2022.

Bibliografia

  • DI SANTO, Marcelo K. et al. Cateteres venosos centrais de inserção periférica: alternativa ou primeira escolha em acesso vascular?. J Vasc Bras. Vol.2. 16.ed; 104-112, 2017
  • CLEVELAND CLINIC. Peripherally Inserted Central Catheter (PICC): Risks / Benefits. Disponível em: <https://my.clevelandclinic.org/health/treatments/14983-peripherally-inserted-central-catheter-picc/risks--benefits>. Acesso em 11 nov 2019
Mostrar bibliografia completa
  • INSTITUTO DE SAÚDE E GESTÃO HOSPITALAR. Protocolo de instalação, manutenção e retirada do cateter venoso central de inserção periférica PICC. 2015. Disponível em: <https://isgh.org.br/intranet/images/Dctos/PDF/HGWA/HGWA_PROTOCOLOS/ISGH_PROTOCOLO_INST_MANUT_PICC_28032016.pdf>. Acesso em 11 nov 2019
  • MAYO CLINIC. Peripherally inserted central catheter (PICC) line. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/tests-procedures/picc-line/about/pac-20468748>. Acesso em 11 nov 2019
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.