8 benefícios da castanha do Pará (e como consumir)

A castanha do Pará é um fruto da família das oleaginosas, assim como as amêndoas e as nozes, que possuem diversos benefícios para a saúde, já que são ricas em proteínas, fibras, selênio, magnésio, fósforo, zinco e vitaminas do complexo B e vitamina E.

Por também ser rico em antioxidantes, esse fruto ainda promove a diminuição do colesterol total, melhora o sistema imunológico e ajuda a prevenir alguns tipos de câncer, como de mama, próstata e cólon.

A castanha do Pará é um fruto de uma árvore chamada Bertholletia excelsa que cresce principalmente na América do Sul, podendo ser comprada em supermercados, feiras e lojas de produtos naturais.

8 benefícios da castanha do Pará (e como consumir)

A castanha do Pará possui diversos benefícios para a saúde como:

1. Promove a saúde do coração

A castanha do Pará é rica em antioxidantes e outros compostos como o selênio e a vitamina E, os quais ajudam a diminuir o colesterol LDL, também conhecido como mau colesterol, e, consequentemente, a diminuir o risco de doenças como aterosclerose e infarto.

Além disso, contém magnésio, fibras e gorduras boas, como o ômega-3, que também favorece a diminuição do colesterol LDL e o aumento do colesterol bom, o HDL, assim como arginina e resveratrol, que são substâncias que melhoram a circulação sanguínea, prevenindo a trombose.

2. Previne o câncer

Devido ao seu alto teor de selênio, vitamina E e flavonoides, a castanha do Pará ajuda a prevenir alguns tipos de câncer, principalmente o de pulmão, mama, próstata e cólon. Esses compostos possuem um elevado poder antioxidante que não só evitam os danos causados pelos radicais livres nas células, mas também aumentam as defesas do organismo, melhorando o sistema imune.

3. Mantém a saúde do cérebro

A castanha do Pará é rica em selênio e vitamina E, nutrientes com propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes que ajudam a melhorar a função cognitiva e prevenir doenças como o Alzheimer, Parkinson e a demência senil, por exemplo.

Além disso, o consumo desse fruto ajuda a melhorar o humor, uma vez que a depressão pode estar associada a baixos níveis de zinco e selênio.

4. Mantém o cabelo e as unhas saudáveis

Por ser rico em selênio, zinco, vitamina B, ômega-3 e vitamina E, o consumo regular desse de castanha do Pará favorece a saúde dos cabelos, da pele e das unhas. Esses nutrientes são essenciais para o fortalecimento do cabelo e evitar a sua queda, para melhorar a cicatrização da pele, prevenir o envelhecimento precoce e a formação de rugas, além de fortalecer as unhas.

5. Reduz a pressão alta

Por ser rica em arginina, magnésio, potássio e antioxidantes, o consumo da castanha do Pará pode favorecer o relaxamento dos vasos sanguíneos, favorecendo a circulação do sangue e diminuindo, assim, a pressão arterial.

6. Fortalece o sistema imune

A castanha do Pará também fortalece o sistema imune, já que contém diversos componentes, como o selênio, que que possui propriedades antioxidantes e ajuda a diminuir a inflamação. Além disso, o fruto é rico em zinco e em vitamina E, nutrientes que protegem o organismo contra infecções, prevenindo doenças como a gripe e o resfriado comum.

7. Pode ajudar a regular a tireoide

O selênio e o zinco são componentes necessários para a síntese de hormônios tireoidianos. A deficiência desses minerais pode causar hipotireoidismo e outras doenças relacionadas com a tireoide. Apesar de não estar totalmente comprovado, o consumo da castanha do Pará pode ajudar a regular a tireoide e beneficiar as pessoas que sofrem de problemas relacionados com essa glândula.

8. Excelente fonte de energia

A castanha do Pará é rica em gorduras saudáveis, principalmente poliinsaturadas e monoinsaturadas, que fornecem energia para o organismo. Além disso, é rica em proteínas e potássio que favorecem também o ganho e a recuperação dos músculos.

Informação nutricional

A tabela a seguir traz a composição nutricional em 100 g de castanha-do-pará:

Componentes100 g de castanha do Pará
Calorias680 Kcal
Gordura66,6 g
Carboidratos2,9 g
Fibras5,3 g
Proteínas14,7 g
Vitamina E5,72 mg
Vitamina B10,9 mg
Vitamina B20,03 mg
Vitamina B30,25 mg
Vitamina B60,21 mg
Vitamina B912,5 mcg
Potássio590 mg
Cálcio160 mg
Fósforo590 mg
Magnésio380 mg
Ferro2,5 mg
Zinco4,2 mg
Selênio4000 mcg

É importante mencionar que para obter todos os benefícios mencionados anteriormente, a castanha do Pará deve ser incluída em uma dieta saudável e equilibrada.

Como consumir

Para obter os seus benefícios, é recomendado consumir 1 castanha do Pará por dia por cerca de 5 dias por semanas. No entanto, é importante não consumir mais de 10 g por dia, pois grandes quantidades desse alimento poderiam causar problemas como dor, fraqueza muscular e manchas nas unhas.

A castanha do Pará pode ser armazenada em um local fresco e protegido da luz solar para não perder as suas propriedades e pode ser consumida crua ou juntamente com frutas, vitaminas, saladas, cereais e sobremesas.

Receita de farofa de castanha do Pará

Ingredientes:

  • 2 colheres de sopa de manteiga;
  • 2 colheres de sopa de cebola em picada;
  • 2 unidades de alho amassado;
  • 60 g de castanha triturada;
  • 100 g de farinha de mandioca crua;
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto.

Modo de Preparo:

Refogar a cebola e o alho na manteiga, e acrescentar a castanha e a farinha de mandioca. Deixar refogar por cerca de 5 minutos. Temperar com sal e pimenta e deixar por mais 5 minutos, mexendo sempre todos os ingredientes. Desligar o fogo e servir.

Possíveis efeitos secundários

Devido ao seu alto teor de selênio, o consumo da castanha de Pará em excesso pode causar intoxicação, com sintomas graves como falta de ar, febre, náuseas e problemas em alguns órgãos, como o fígado, rins e coração.

Conheça também os benefícios do amendoim, que também melhora o humor e protege o coração.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Manuel Reis, Enfermeiro - em Agosto de 2021. Revisão clínica por Tatiana Zanin, Nutricionista - em Agosto de 2021.

Bibliografia

  • COZZOLINO Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 4º. Brasil: Manole Ltda, 2012. 721-765.
  • YANG Jun. Brazil nuts and associated health benefits: A review. Food Science and Technology . 42. 1573–1580, 2009
  • PLATAFORMA PORTUGUESA DE INFORMAÇÃO ALIMENTAR . Composição de Alimentos: Castanha do Brasil. Disponível em: <http://portfir.insa.pt/foodcomp/food?19966>. Acesso em 16 Set 2020
  • CARDOSO Bárbara et al. Effects of Brazil nut consumption on selenium status and cognitive performance in older adults with mild cognitive impairment: a randomized controlled pilot trial. European Journal of Nutrition. 55. 1; 107-116, 2016
  • CATALGOL Betul; OZER Nesrin . Protective effects of vitamin E against hypercholesterolemia-induced age-related diseases. Genes and Nutrition. 7. 1; 91 -98, 2012
  • LOEF Martin; WAKACH Harald et al. Selenium and Alzheimer's Disease: A Systematic Review. Journal of Alzheimer's disease: JAD. 26. 1; 81-104, 2011
  • GUARINO G; RAGOZZINO G et al. Selenium Supplementation in Obese Patients with Subclinical Hypothyroidism and Type 2 Diabetes. Journal of Nutrition and Health Sciences. 5. 2; 1-9, 2018
  • St. Ivanova , K. Ivanov et al. SPORT SUPPLEMENTATION: BENEFICIAL EFFECTS OF VITAMIN E AND CREATINE ON EXERCISE PERFORMANCE . PHARMACIA. 62. 2; 40-48, 2015
  • Majzouba Ahmad; Agarwalb Ashok. Systematic review of antioxidant types and doses in male infertility: Benefits on semen parameters, advanced sperm function, assisted reproduction and live-birth rate. Arab Journal of Urology. 16. 1; 113-124, 2016
  • JUHÁSZNE T; CSAPÓ J. The role of selenium in nutrition – A review. Acta Universitatis Sapientiae, Alimentaria. 11. 128-144, 2018
  • HIND Almohanna; AZHAR Ahmed. The Role of Vitamins and Minerals in Hair Loss: A Review. Dermatol Ther Journal. 9. 1; 51-70, 2019
  • EXAMINE.COM. Vitamin E. Disponível em: <https://examine.com/supplements/vitamin-e/research/#cardiovascular-health_platelets-and-coagulation>. Acesso em 03 Abr 2020
  • BROWNE Declan; MCGUINNESS Bernadette et al. Vitamin E and Alzheimer’s disease: what do we know so far?. Clinical Interventions in Aging. 4. 1303–1317, 2019
  • AMBOOKEN Betsy et al. Zinc Deficiency Associated with Hypothyroidism: An Overlooked Cause of Severe Alopecia. International Journal of Trichology. 5. 1; 40–42, 2013
Mais sobre este assunto: