Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Para que serve a Biópsia do Fígado

A biópsia do fígado é um exame médico que serve para diagnosticar alterações nas enzimas AST e ALT, cirrose, hepatites B e C, e até mesmo o câncer. Também conhecida por biópsia hepática, este exame também serve para avaliar e diagnosticar doenças da vesícula biliar e das vias biliares.

Este procedimento é uma pequena cirurgia onde se retira um pedacinho do fígado com uma agulha para depois ser analisado no microscópio. Geralmente a pessoa não fica internada e volta para casa no mesmo dia, embora seja preciso ir par ao hospital acompanhado, porque a pessoa não pode dirigir depois da biópsia.  

Quando é indicada

Este exame de diagnóstico serve para analisar alterações no fígado e vias biliares, como:

  • Avaliar grau das hepatites virais B e C;
  • Verificar presença de nódulos hepáticos ou cirrose;
  • Analisar eficácia da terapêutica para o fígado;
  • Avaliar a presença de células cancerígenas.

Geralmente, este procedimento só é realizado por indicação médica e realiza-se após detectar alterações no exame de sangue ou outro exame no fígado que não foi conclusivo.

Como é feita a biópsia 

Para que serve a Biópsia do Fígado

Neste procedimento é inserida uma agulha através da pele até o fígado, que se encontra no lado direito do abdômen. O procedimento deve ser feito com anestesia ou sedação e apesar de ser desconfortável, este não é um exame que causa muita dor.

Em geral a ultra-sonografia ou a tomografia computadorizada é utilizada como guia para localizar a área anormal, de onde será coletada a amostra. O radiologista retira normalmente 3 amostras e o procedimento demora até meia hora. Essas amostras depois são analisadas no microscópio para avaliar a presença de alterações nas células.

Outra forma de se obter uma amostra de tecido do fígado para biópsia é feita de forma transvenosa ou durante uma cirurgia exploradora, mas isso é menos comum.

Qual o preparo necessário

Antes de realizar a biópsia do fígado, o médico pode recomendar deixar de usar alguns remédios cerca de 5 dias antes do procedimento como aspirina, ibuprofeno, Advil, Motrin, Aleve, Coumadin e heparina, por exemplo, porque eles aumentam as chances de sangramento e consequentemente de hemorragia. Além disso, é importante ficar de jejum 8 horas antes do procedimento.

Como é a Recuperação 

Depois da biópsia do fígado a pessoa precisa permanecer no hospital por cerca de 4 horas para verificar se existe algum sangramento, já que este órgão tende a sangrar muito. O médico também pode verificar a pressão arterial e a oxigenação de hora em hora para saber se é seguro dar alta para a pessoa e ela pode ficar interneda, se houver necessidade, mas geralmente pessoas que estão bem controladas saem do hospital no mesmo dia.

A pessoa deve sair do hospital com um curativo na parte lateral do abdômen que deve ser retirado depois de 2 dias, em casa, porque o local já deve estar completamente cicatrizado. Antes de retirar o curativo deve-se ter o cuidado de não molhar a gaze e verificar se ele está sempre limpo, caso contrário, deve ir ao médico para trocar e verificar porque está com sangramento ou perda de líquidos, já que isso não é esperado.

Para aliviar a dor e o desconforto o médico pode recomendar que tome Novalgina e não é recomendado fazer esforços, para que o local possa cicatrizar mais rapidamente, e por isso, pode ser uma boa dica aproveitar para tirar 1 dia de férias ou pedir licença do trabalho.

A alimentação depois da biópsia deve ser leve, evitando o consumo de alimentos ricos em gordura e em aditivos, porque eles tendem a sobrecarregar o fígado. Optar por uma canja de galinha, pode ser uma boal solução porque ela hidrata, é leve e tem proteínas, que ajudam na regeneração dos tecidos perfurados.

Possíveis complicações 

Em casos muito raros podem surgir complicações durante a biópsia, como acordar durante o procedimento, sendo preciso maior sedação, possível hemorragia, perfuração do pulmão ou da vesícula biliar e infecção no local da inserção da agulha, mas todas estas situações são fáceis de controlar.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...