Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como é feito o tratamento para transtorno-obsessivo compulsivo

O tratamento do transtorno obsessivo compulsivo, conhecido como TOC, é feito com a utilização de remédios antidepressivos, realização de terapia cognitivo-comportamental ou uma combinação de ambos. Apesar de nem sempre curar a doença, este tratamento é capaz de controlar bem os sintomas na maioria dos casos, melhorando a qualidade de vida da pessoa que convive com este problema.

Se uma pessoa apresenta sintomas que indiquem este transtorno, como compulsão ou obsessão por limpeza, simetria, comportamento repetitivo ou excesso de superstição, por exemplo, deve consultar um psiquiatra, para avaliação correta, diagnóstico e, assim, receber a indicação do tratamento mais adequado. Confira os principais sintomas e saiba como identificar o TOC

Como é feito o tratamento para transtorno-obsessivo compulsivo

1. Uso de medicamentos

O tratamento para o transtorno obsessivo compulsivo baseado no uso de medicamentos deve ser recomendado por um médico psiquiatra, sendo que geralmente são indicados antidepressivos, tanto para adultos como para crianças. Alguns dos medicamentos mais utilizados incluem:

  • Clomipramina;
  • Paroxetina;
  • Fluoxetina;
  • Sertralina;
  • Citalopram.

Estes remédios devem ser usados diariamente, e seu efeito pode demorar cerca de 6 a 12 semanas para fazer efeito e, por isso, a cada 4 a 8 semanas de tratamento, o psiquiatra pode fazer reavaliações e considerar a necessidade de aumentar a dose.

Algumas pessoas podem precisar de doses elevadas dos remédios, o que causa maior chance de efeitos colaterais, que podem incluir náuseas, tontura e sonolência. Caso os efeitos sejam muito intensos, é necessário conversar com o médico, para avaliar a possibilidade de troca do medicamento.

2. Terapia cognitivo comportamental

A terapia cognitivo comportamental, ou TCC, é a abordagem da psicoterapia mais indicada para tratamento do TOC, sendo fundamental para diminuir as crises de ansiedade e controlar o comportamento causado pela doença.

Esta terapia caracteriza-se por ajudar uma pessoa a identificar crenças e pensamentos que provocam os comportamentos obsessivos. Desta forma, o psicólogo ao ouvir o discurso da pessoa com TOC, poderá auxiliar a criar maneiras de lidar melhor com as situações, diminuindo os episódios de compulsão e obsessão.

As sessões desta terapia podem ser realizadas em um consultória e duram cerca de 50 minutos, sendo que a quantidade de sessões e o período de tratamento dependerá do grau do TOC. Veja mais como funciona a terapia cognitivo comportamental.

Como é feito o tratamento para transtorno-obsessivo compulsivo

3. Tratamento natural

O tratamento natural para o transtorno obsessivo compulsivo pode ser feito através de sessões de terapias que envolvem técnicas de relaxamento e meditação como yoga, shiatsu e reiki. Também pode ser indicada acupuntura, que consiste na aplicação de pequenas agulhas em locais específicos para melhorar os sintomas de ansiedade, que pioram o TOC.

Além disso, a prática de atividades físicas regulares, como a caminhada, é uma excelente aliada para a diminuição do estresse e ansiedade. 

Ter atenção à dieta é importante, pois existem alimentos com propriedades que ajudam a controlar a ansiedade e aumentam a sensação de bem-estar, como amendoim, banana, aveia e o chá da folha do maracujá, por exemplo. Confira dicas de dieta para combater o estresse e a ansiedade.

4. Neurocirurgia

A neurocirurgia, é um tipo de cirurgia realizada no cérebro e somente é indicada para o tratamento do transtorno obsessivo compulsivo para casos mais graves, em que os medicamentos e a terapia cognitivo comportamental não melhoram os sintomas.

A terapia de neuromodulação é um tipo de tratamento não invasivo, ou seja, não utiliza cortes, que tem efeitos similares à neurocirugia, entretanto, estudos ainda estão sendo desenvolvidos para entender a aplicação deste tipo de terapia no tratamento de TOC.

Bibliografia >

  • NETO, Mário R. L.; ELKIS, Hélio. Psiquiatria básica. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. 315-333.
  • HIRSCHTRITT, Matthew E. et al. Obsessive-Compulsive Disorder Advances in Diagnosis and Treatment. JAMA. Vol.317, n.13. 1358-1367, 2017
  • MARQUES, Carla. Tratamento farmacológico do transtorno obsessivo-compulsivo. Rev. Bras. Psiquiatr. Vol.26, n.1. 49-51, 2004
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem