Síndrome alcoólica fetal: o que é, sintomas, causas e tratamento

A síndrome alcoólica fetal é um conjunto de deficiências físicas, comportamentais ou intelectuais, como deformidades no rosto ou dedos, falta de equilíbrio ou coordenação motora, ou problemas de aprendizagem e memória, que são causados pelo consumo de álcool pela gestante em qualquer quantidade e em qualquer fase da gravidez.

Isto porque o álcool chega até o feto através da placenta nas mesmas concentrações em que a gestante foi exposta, sendo metabolizado pelo fígado do bebê, e permanecendo no seu organismo durante algum tempo, podendo causar problemas no seu desenvolvimento e danos cerebrais permanentes.

O tratamento da síndrome alcoólica fetal, também conhecida como síndrome do alcoolismo fetal, é feito pelo neonatologista no hospital após o nascimento do bebê ou pediatra, e varia de acordo com os sintomas do bebê ou da criança, e danos causados pelo consumo de bebidas alcoólicas durante a gestação.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas da síndrome alcoólica fetal

Os principais sintomas da síndrome alcoólica fetal são:

1. Defeitos físicos

A síndrome alcoólica fetal pode causar defeitos físicos no bebê, como:

  • Deformidades no rosto, como nariz curto, olhos pequenos e lábio superior fino;
  • Deformidades nos dedos, braços, pernas e articulações;
  • Cabeça pequena;
  • Problemas de visão e audição;
  • Malformações no coração, rins ou ossos.

Além disso, o cérebro pode apresentar tamanho pequeno (microcefalia) e crescimento lento que podem ser detectados durante os exames de imagem pré-natais ou após o nascimento.

Outras problemas que podem ocorrer são baixo peso do bebê ao nascer, altura abaixo da média ou problemas cardíacos.

2. Problemas cerebrais e do sistema nervoso

Os principais sintomas de problemas cerebrais e do sistema nervoso do bebê são:

  • Falta de coordenação motora e equilíbrio;
  • Dificuldade de aprendizagem, atenção e concentração;
  • Problemas de memória e de julgamento;
  • Atraso na fala ou dificuldade de linguagem;
  • Deficiência intelectual e baixo QI.

Além disso, outros sinais de problemas cerebrais e do sistema nervoso do bebê são dificuldade de sucção para amamentar, problemas de sono, agitação ou hiperatividade, por exemplo.

3. Problemas sociais e do comportamento

Os principais sintomas de problemas sociais e do comportamento são:

  • Fraco desempenho escolar;
  • Problemas para se relacionar com outras crianças;
  • Dificuldade para controlar os impulsos;
  • Dificuldade de planejamento e de atingir metas;
  • Depressão ou ansiedade;
  • Distúrbios alimentares.

Além disso, outros sintomas da síndrome do alcoolismo fetal, que podem ocorrer ao longo da vida são alcoolismo, uso de drogas ilícitas, comportamento sexual inadequado ou problemas para conseguir ou manter-se em empregos.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da síndrome alcoólica fetal pode ser suspeitado pelo obstetra durante a gestação ao observar alterações físicas do feto durante os exames de ultrassom pré-natal, associado ao relato da grávida sobre o consumo de álcool durante a gestação.

Após o bebê nascer, o diagnóstico da síndrome alcoólica fetal é feito pelo neonatologista através da avaliação física do bebê, que deve ter o acompanhamento do pediatra durante a infância para verificar o seu desenvolvimento físico, intelectual e comportamental.

Marque uma consulta com um neonatologista na região mais próxima:

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Neonatologistas e receba o cuidado personalizado que você merece.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

Possíveis causas

A síndrome alcoólica fetal é causada pelo consumo de álcool pela gestante em qualquer fase da gestação e em qualquer quantidade, pois o álcool pode passar para o feto através da placenta.

O mecanismo exato de como o álcool afeta o desenvolvimento do feto ainda não é completamente conhecido, no entanto, sabe-se que o álcool afeta a formação dos órgãos e o desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso do bebê, causando danos irreversíveis, além ocorrer uma redução no fornecimento de nutrientes e oxigênio para o feto em formação.

Além disso, o fígado do bebê metaboliza de forma mais lenta o álcool do que um adulto, e mesmo que o consumo do álcool pela gestante seja em baixas quantidades, o bebê fica exposto por mais tempo aos efeitos nocivos do álcool

Como é feito o tratamento

O tratamento da síndrome alcoólica fetal deve ser feito com orientação do neonatologista ou pediatra e varia de acordo com os sintomas do bebê ou da criança, de acordo com o grau de danos causados pelo consumo de bebidas alcoólicas durante a gestação.

Como os danos no bebê são permanentes, o tratamento tem como objetivo reduzir o atraso no desenvolvimento e deficiências comportamentais, sociais e intelectuais.

Desta forma, o tratamento da síndrome alcoólica fetal envolve uma equipe multidisciplinar, que deve contar com pediatra, terapeuta ocupacional, psicólogos, psiquiatras, fisioterapeutas e fonoaudiólogos.

Além disso, o pediatra pode indicar remédios específicos de acordo com os sintomas e problemas no coração, rins, visão ou audição.

Como prevenir

A síndrome alcoólica fetal pode ser prevenida com o não consumo de bebidas alcoólicas durante a gestação.

Desta forma, no caso da mulher que tem gravidez suspeita ou confirmada, deve-se interromper o consumo de bebidas alcoólicas durante toda a gestação, inclusive de "cervejas sem álcool", uma vez que possuem até 0,5% de álcool na sua composição, não sendo completamente isentas de álcool.

Além disso, no caso de mulheres que sofrem de alcoolismo, deve-se consultar um psiquiatra para tratamento adequado, de forma a não prejudicar o desenvolvimento do bebê, e evitar a síndrome alcoólica fetal. Saiba como é feito o tratamento do alcoolismo.