Gravidez tubária (nas trompas): o que é, causas, sintomas e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
agosto 2021

A gravidez na trompas, também conhecida como gravidez tubária, é um tipo de gravidez ectópica em que o embrião é implantado fora do útero, nesse caso, nas tubas uterinas. Quando isso acontece, o desenvolvimento da gravidez pode ser prejudicado, isso porque o embrião não consegue se locomover para dentro do útero e as trompas não são capazes de se distender, podendo romper e colocar em risco a vida da mulher.

Alguns fatores podem favorecer o desenvolvimento da gravidez tubária, como infecções sexualmente transmissíveis, endometriose ou já ter feito uma laqueadura, por exemplo. Normalmente, esse tipo de gravidez é identificada até as 10 semanas de gestação numa ultrassonografia, porém pode também ser descoberta mais tarde.

No entanto, se o problema não for detectado, a trompa pode romper, sendo chamada de gravidez ectópica rota, que pode provocar uma hemorragia interna, o que pode ser fatal. 

Principais causas

A ocorrência da gravidez tubária pode ser favorecida por diversos fatores, sendo os principais:

  • Usar DIU;
  • Cicatriz de uma cirurgia pélvica;
  • Inflamação pélvica;
  • Endometriose, que é o crescimento do tecido do endométrio fora do útero;
  • Gravidez ectópica anterior;
  • Salpingite, que é caracterizada pela inflamação ou deformação das trompas de Falópio;
  • Complicações da clamídia;
  • Cirurgia prévia nas trompas de Falópio;
  • Malformação das trompas de Falópio;
  • Em caso de infertilidade;
  • Ter realizado a laqueadura das trompas.

Além disso, idade superior a 35 anos, realização de fertilização in vitro e o fato de ter vários parceiros sexuais também pode favorecer o desenvolvimento de uma gravidez ectópica.

Sinais e sintomas da gravidez tubária

Alguns sinais e sintomas que podem indicar a gravidez fora do útero incluem a dor de apenas um dos lados da barriga, que vai piorando a cada dia, sempre de forma localizada e semelhante à cólica, e sangramento vaginal, que pode iniciar com algumas gotas de sangue, mas que em pouco tempo se torna mais forte. Veja também outras causas de cólica na gravidez.

O teste de gravidez de farmácia consegue detectar que a mulher está grávida, mas não é possível saber se é gravidez ectópica, sendo necessário realizar um exame de ultrassom para verificar exatamente onde o bebê está localizado. Como a gravidez ectópica pode se tornar rota antes das 12ª semana de gestação, não dá tempo para a barriga começar a crescer, de forma suficiente para ser notada por outras pessoas. Saiba como identificar os sinais e sintomas de gravidez ectópica.

Tratamentos para gravidez ectópica

O tratamento para gravidez ectópica pode ser feito através do uso do medicamento metotrexato, que induz o aborto, ou por meio de cirurgia para retirada do embrião e reconstrução da trompa.

Quando a cirurgia é indicada

A cirurgia para retirada do embrião, pode ser feita por laparostomia ou cirurgia aberta, e é indicada quando o embrião tem mais de 4 cm de diâmetro, o exame Beta HCG tem mais de superior a 5000 mUI/ml ou quando há evidências de ruptura da trompa, o que coloca em risco a vida da mulher.  

Em qualquer dos casos, o bebê não pode sobreviver e o embrião deverá ser completamente removido, não podendo ser implantado dentro do útero.

Quando os remédios são indicados

O médico pode decidir pelo uso de remédios como metotrexato 50 mg, em forma de injeção quando a gravidez ectópica é descoberta antes das 8 semanas de gestação, a mulher não apresenta rompimento da trompa, o saco gestacional tem menos de 5 cm, o exame Beta HCG é inferior a 2.000 mUI/ml e o coração do embrião não está batendo.

Nesse caso a mulher toma 1 dose desse medicamento e após 7 dias deve realizar um novo Beta HCG, até que este seja indetectável. Se o médico achar mais seguro, pode indicar mais 1 dose deste mesmo medicamento para se certificar de que o problema está solucionado. O Beta HCG deve ser repetido em 24 horas e depois a cada 48 horas para verificar se está baixando gradualmente. 

Durante este tratamento que pode durar até 3 semanas é recomendado:

  • Não fazer o exame de toque vaginal porque pode causar ruptura dos tecidos;
  • Não ter contato íntimo;
  • Evitar a exposição ao sol porque o remédio pode manchar a pele;
  • Não tomar anti-inflamatórios devido o risco de anemia e problemas gastrointestinais relacionados ao remédio.

O ultrassom pode ser realizado 1 vez por semana para verificar se a massa desapareceu porque ainda que os valores do beta HCG estejam diminuindo ainda existe a possibilidade de ruptura da trompa.

É possível engravidar depois da cirurgia?

Se as trompas não foram danificadas pela gravidez ectópica, a mulher tem novas chances de voltar a engravidar, mas se uma das trompas rompeu ou ficou lesionada, as chances de engravidar novamente são muito menores, e se as duas trompas romperam ou estão afetadas, a solução mais viável será a fertilização in vitro. Veja como engravidar após uma gravidez tubária.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em agosto de 2021. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.