Hepatite B tem cura

PUBLICIDADE

A hepatite B nem sempre tem cura mas cerca de 95% dos casos de hepatite B aguda em adultos tem cura espontânea e na maioria das vezes não há necessidade de realizar o tratamento específico sendo somente necessário ter alguns cuidados com a alimentação, não beber bebidas alcoólicas, evitar fazer esforços e hidratar-se corretamente, porque as próprias células de defesa do organismo conseguem combater o vírus e eliminar a doença.

No entanto, aproximadamente 5% dos casos de hepatite B aguda em adultos podem evoluir para hepatite B crônica, quando a infecção dura mais de 6 meses. Neste caso, o risco de surgirem lesões graves do fígado como cirrose hepática e insuficiência hepática, por exemplo, é grande e as chances de cura são mínimas, pois o organismo não conseguiu combater o vírus da hepatite B e este permaneceu no fígado.

Quem pode desenvolver hepatite B crônica

Existe um maior risco das crianças contaminadas com o vírus da hepatite B desenvolverem a forma crônica da doença, e quanto mais jovem, maior é este risco. Os bebês recém-nascidos que foram contaminados pela mãe durante a gravidez ou parto são os que tem mais dificuldade de eliminar o vírus.

Dessa forma, as crianças e os adultos com hepatite B crônica necessitam de um tratamento mais específico indicado pelo hepatologista que pode ser feito com medicamentos antivirais como o Interferon e o Entecavir, por exemplo.

Como confirmar a cura da hepatite B

Após 6 meses da realização do tratamento, a confirmação da cura da hepatite B pode ser feita através de exames de sangue que revelam quantidades elevadas de ALT, AST, fosfatase alcalina, gama GT e bilirrubinas.

No entanto, nem todos os pacientes que desenvolvem a hepatite B crônica (especialmente as crianças) alcançam a cura e podem ter complicações no fígado como cirrose ou câncer e, nestes casos, o transplante de fígado pode ser indicado. Neste caso, a melhor forma das gestantes protegerem seus bebês é realizando o pré-natal.

Veja também:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE