O que fazer em caso de descolamento ovular

PUBLICIDADE

Em caso de suspeita de descolamento ovular, onde a grávida apresenta cólica persistente até as 12 semanas de gestação, a grávida deve ir imediatamente ao hospital para o médico examinar, solicitar um exame de ultrassom e ser orientada quanto ao seu tratamento, que pode ser feito com repouso, ingestão de água, restrição de contato íntimo e o uso de progesterona.

O descolamento ovular na gravidez, cientificamente chamado de hematoma subcoriônico ou retrocoriônico, ocorre no primeiro trimestre e é caracterizado pelo acúmulo de sangue entre o útero e o saco gestacional.

Nos casos leves de descolamento ovular, o hematoma, normalmente, desaparece naturalmente até ao 2º trimestre de gestação, pois é absorvido pelo organismo da grávida, porém, quanto maior for o hematoma, maior o risco de aborto espontâneo, parto prematuro e descolamento da placenta.

O que é descolamento ovular

O descolamento ovular ou hematoma subcoriônico, como é cientificamente chamado, é o acúmulo de sangue entre o útero e o saco gestacional no primeiro trimestre de gravidez, até às 12 semanas de gestação. Geralmente, o descolamento ovular não provoca sintomas como sangramento vaginal e é absorvido pelo organismo da grávida, até ao 2º trimestre de gestação, acabando por desaparecer. Porém, quanto maior for o descolamento ovular, maior é o risco de abortamento espontâneo.

Tratamento para descolamento ovular

O tratamento para descolamento ovular inclui ir imediatamente ao hospital para a grávida ser avaliada pelo médico obstetra ou ginecologista e realizar um ultrassom para que o médico possa fazer o diagnóstico e ver o tamanho e localização do hematoma.

Geralmente, o descolamento ovular diminui e acaba desaparecendo com repouso absoluto, ingestão de 2 litros de água por dia, restrição de contacto íntimo e a ingestão de Utrogestan, que é um remédio que contém progesterona.

Durante o tratamento, o médico poderá realizar exames de ultrassom a cada semana para verificar se o descolamento aumentou, já diminuiu ou desapareceu.

Cuidados em caso de descolamento ovular

De acordo com o tamanho do hematoma, o médico irá orientar o tratamento e os cuidados que a grávida deve ter para o hematoma não aumentar e para não haver risco de parto prematuro ou descolamento da placenta.

Nos casos de descolamento ovular leve, o médico, geralmente, orienta a grávida a usar um remédio com progesterona via oral ou vaginal chamado Utrogestan, a fazer repouso, a fazer exames de ultrassom com frequência para controlar o tamanho do descolamento e a ter alguns cuidados, como:

  • Evitar ter contato íntimo, assim como ficar muito tempo de pé, preferindo ficar sentada ou deitada com as pernas elevadas;
  • Beber cerca de 1,5 a 2 litros de água por dia, pois a água ajuda na circulação sanguínea da grávida. Além disso, a água ajuda a irrigar o útero e a placenta e a manter a qualidade do líquido amniótico;
  • Evitar fazer esforços, como limpar a casa e cuidar dos filhos. Uma boa estratégia é encontrar alguém que possa ajudar com estas tarefas e aproveitar o tempo de repouso para ler um livro.

Nos casos mais graves, o médico poderá indicar o repouso absoluto e pode ser necessário a grávida ter que ficar internada para garantir a sua saúde e a do bebê.

Quando procurar o médico

É recomendado a gestante ligar para o obstetra ou ir imediatamente ao hospital se apresentar os seguintes sintomas:

  • Dor abdominal;
  • Sangramento vaginal;
  • Cólicas abdominais.

Ainda não se sabe quais as causas de descolamento ovular, por isso, não há nada que a grávida poderia ter feito antes de engravidar para evitar o descolamento ovular.

Sintomas do descolamento ovular

A grávida com descolamento ovular nem sempre apresenta sintomas e, por isso, só o exame de ultrassom consegue identificar o hematoma. No entanto, em alguns casos, a gestante pode ter sintomas como sangramento vaginal e dor abdominal parecida com cólicas e, por isso, na presença destes sintomas deve ir imediatamente ao hospital.

Os sintomas do descolamento ovular incluem:

  • Sangramento vaginal;
  • Dor abdominal;
  • Cólicas abdominais.

Na maior parte dos casos de descolamento ovular, as mulheres não têm sangramento e não apresentam sintomas, e, por isso, o descolamento ovular só é descoberto no exame de ultrassom do primeiro trimestre de gravidez.

Causas do descolamento ovular

As causas do descolamento ovular na gravidez ainda não são totalmente conhecidas, mas sabe-se que não há nenhum comportamento da mulher que o possa provocar ou evitar.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE