Venlafaxina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

A venlafaxina é um antidepressivo da classe dos inibidores da recaptação da serotonina e noradrenalina, que são substâncias responsáveis pela comunicação entre os neurônios e regulação do humor, do sono, do apetite, atenção e memória. Quando os níveis dessas substâncias estão baixos, podem causar depressão, síndrome do pânico ou ansiedade.

Este remédio está disponível em farmácias e drogarias, na forma de cápsulas, com o nome comercial Efexor XR, na forma de genérico com o nome cloridrato de venlafaxina, ou com os nomes similares Venlift OD, Alenthus XR, Vensate LP ou Venlaxin, por exemplo, e é vendido com prescrição médica e retenção de receita pela farmácia.

Venlafaxina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Para que serve

As principais indicações de tratamento com a venlafaxina incluem:

  • Depressão;
  • Transtorno de ansiedade generalizada (TAG);
  • Transtorno de ansiedade social ou fobia social;
  • Síndrome do pânico.

A venlafaxina deve ser sempre indicada pelo médico avaliando as condições de saúde de forma individualizada.

Como tomar

A cápsula de venlafaxina deve ser tomada por via oral, junto com uma refeição, sempre no horário orientado pelo médico. No entanto, se esquecer de tomar uma dose na hora certa, tomar assim que lembrar, mas deve-se pular a dose esquecida se estiver quase na hora de tomar a próxima dose. Não dobrar a dose para compensar a dose esquecida.

A forma de uso da venlafaxina para adultos com mais de 18 anos varia de acordo com acordo com a indicação e inclui:

  • Depressão, Transtorno de ansiedade generalizada, Transtorno de ansiedade social ou fobia social: a dose inicial recomendada é de 75 mg por dia, podendo ser aumentada pelo médico para até 225 mg por dia;
  • Síndrome do pânico: a dose inicial recomendada é de 37,5 mg por dia durante 7 dias, e após esse período pode ser aumentada pelo médico para 75 mg por dia ou até no máximo 225 mg por dia.  

O início da ação da venlafaxina leva cerca de 3 dias após o início do tratamento, no entanto, pode demorar até 4 semanas para o tratamento ter o efeito desejado.

O aumento das doses da venlafaxina devem ser feitos de acordo com a avaliação e orientação do médico. Além disso, não se deve parar o tratamento por conta própria e sem a orientação do médico, pois a dose da venlafaxina deve ser reduzida lentamente para não causar sintomas de abstinência como ansiedade, agitação, nervosismo, tontura, convulsão ou aumento da pressão arterial, por exemplo.

Possíveis efeitos colaterais

Alguns dos efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer durante o tratamento com venlafaxina são dor de cabeça, tontura, cansaço, fraqueza, tremores, palpitação, sensação de ansiedade ou nervosismo, perda ou aumento de peso, náuseas, vômitos, boca seca, suor noturno, ondas de calor, visão turva, retenção de urina, diminuição do desejo sexual ou impotência.

É aconselhado interromper o uso e procurar ajuda médica imediatamente ou o pronto-socorro mais próximo se surgirem sintomas de alergia à venlafaxina como dificuldade para respirar, sensação de garganta fechada, inchaço na boca, língua ou rosto, urticária ou formação de bolhas na pele. Saiba identificar os sintomas de reação alérgica.

Além disso, deve-se comunicar ao médico caso a pessoa apresente alterações de humor ou comportamento, ansiedade, ataques de pânico, dificuldade para dormir ou impulsividade, irritação, agitação, agressividade, depressão ou pensamentos sobre suicídio.

Quem não deve usar

A venlafaxina não deve ser usada por crianças ou adolescentes com menos de 18 anos, mulheres grávidas ou em amamentação, por pessoas que têm glaucoma não controlado ou que tenham alergia à venlafaxina ou desvenlafaxina.

Além disso, a venlafaxina não deve ser usada por pessoas que utilizam medicamentos inibidores da monoamina oxidase (IMAO), como isocarboxazida (Marplan), fenelzina (Nardil) ou tranilcipromina (Parnate), devendo-se esperar pelo menos 14 dias após o término do tratamento com os inibidores da monoaminoxidase para iniciar o tratamento com venlafaxina.

É importante informar ao médico e ao farmacêutico todos os medicamentos ou produtos naturais que são utilizados para evitar aumento do efeito da venlafaxina e aparecimento de efeitos colaterais.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • SUWALA, J.; MACHOWSKA, M; WIELA-HOJENSKA, A. Venlafaxine pharmacogenetics: a comprehensive review. Pharmacogenomics. 20. 11; 829-845, 2019
  • FURUKAWA, T. A.; et al. Optimal dose of selective serotonin reuptake inhibitors, venlafaxine, and mirtazapine in major depression: a systematic review and dose-response meta-analysis. Lancet Psychiatry. 6. 7; 601-609, 2019
  • SINGH, D.; SAADABADI, A. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Venlafaxine. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK535363/>. Acesso em 03 Ago 2021
  • CIPRIANI, A.; et al. Comparative efficacy and acceptability of 21 antidepressant drugs for the acute treatment of adults with major depressive disorder: a systematic review and network meta-analysis. Lancet. 391. 10128; 1357-1366, 2018
  • PFIZER. Efexor XR (cloridrato de venlafaxina) 37,5 mg, 75 mg ou 150 mg cápsulas de liberação controlada. 2020. Disponível em: <https://www.pfizer.com.br/sites/default/files/inline-files/Efexor_XR_Profissional_de_Saude_24.pdf>. Acesso em 03 Ago 2021
Mais sobre este assunto: