Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Tratamento para pericardite

O tratamento para pericardite vai depender  das causas, evolução da doença e suas complicações. Os procedimentos mais utilizados para cada tipo de pericardite, são os seguintes:

Pericardite aguda causada por vírus ou sem causa conhecida

  • Repouso;
  • Analgésicos: para as dores no corpo;
  • Antipiréticos: para reduzir a febre;
  • Anti-inflamatórios não esteróides: deve ser dado em doses altas durante duas semanas;
  • Remédios para proteção gástrica: para os casos de dores no estômago ou úlceras;
  • Colchicina: deve ser adicionado aos anti-inflamatórios não esteróides e mantido por um ano como prevenção de recorrência da doença.

Pericardite causada por bactérias

  • Antibióticos;
  • Antiinflamatórios não esteróides;
  • Drenagem do pericárdio;
  • Cirurgia;
  • Internamento no hospital nos casos mais graves com grandes complicações.

Pericardite crônica

  • Diuréticos: ajudam na eliminação do excesso de líquidos;
  • Imunossupressores;
  • Cirurgia para retirada do pericárdio.

Pericardites secundárias a outras doenças

Deve-se tratar sempre a doença de base através de:

  • Anti-inflamatório não hormonal ou AINH: Ibuprofeno;
  • Colchicina: isolada ou associada ao AINH. Pode ser utilizada no tratamento inicial ou nas crises de recorrência;
  • Corticóides: nos casos de doenças do tecido conjuntivo, pericardite urêmica, e nos casos que não responderam à Colchicina ou AINH.

Pericardite com derrame

  • Punção pericárdica para extrair o derrame.

Pericardite constritiva

  • Remédios antituberculose: deve ser iniciado antes da cirurgia e mantido por 1 ano;
  • Medicamentos que melhorem a função cardíaca
  • Diuréticos: ajudam a reduzir o excesso de líquidos;
  • Cirurgia para retirada do pericárdio.

É importante referir que a cirurgia, principalmente nos casos de pericardite associada a outras doenças cardíacas, não deve ser adiada, pois pacientes com grande limitações na função do coração, podem correr maiores riscos de morte e o benefício da cirurgia é menor.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...