Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Tratamento para difteria

O tratamento para difteria, que é uma doença contagiosa e que causa inflamação das vias respiratórias e lesões na pele, é feito com internamento hospitalar e deve ser iniciado logo que haja suspeita de infecção, principalmente nas crianças, pois pode causar a morte no caso de não ser tratada.

O tempo de tratamento da difteria pode demorar até 1 mês, variando de indivíduo para indivíduo, sendo mais prolongado nas crianças.

Assim, o tratamento para difteria é feito pelo médico e é necessário:

  • Tomar uma injeção de antitoxina diftérica, que tem a função de diminuir os efeitos das substâncias tóxicas libertadas pela bactéria no organismo do paciente;
  • Tomar antibióticos como penicilina, eritromicina ou clindamicina para eliminar a bactéria e impedir a sua transmissão.
  • Ficar num quarto isolado até os exames não detectarem a presença da bactéria, que pode demorar até 2 semanas, para não contaminar outros pacientes;
  • Repousar;
  • Ingerir grandes quantidades de líquidos para manter o organismo hidratado, principalmente em bebês e crianças.

Estes medicamentos são aplicados no hospital e reduzem os sintomas da doença, se observando sinais de melhora no paciente como baixa da febre, diminuição do inchaço e controle da respiração, ao fim de alguns dias. Conheça mais sintomas da doença em: Difteria.

Além disso, quando o paciente apresenta dificuldade em respirar, pode ser necessária a realização de traqueostomia, um procedimento cirúrgico que abre um buraco no pescoço para o indivíduo poder respirar sem dificuldade, ou inserção de tubos respiratórios e administração de oxigênio.

Como é feita a prevenção da difteria

A prevenção da difteria é feita através da administração da vacina contra a difteria, tétano e coqueluche nas crianças com 2, 4 e 6 meses de idade, tendo depois um reforço aos 15 meses e outro entre os 4 e 6 anos. Após estas doses, o reforço da vacina deve ser feito de 10 em 10 anos durante a vida adulta.

Caso o indivíduo tenha estado em contato com algum paciente com difteria, deve dirigir-se ao hospital e iniciar o uso de medicamentos para prevenir o agravamento da doença e a transmissão para outros.

Embora a difteria seja mais comum em crianças, os adultos que não tenham a vacinação em dia ou tenham o sistema imune fragilizado podem pegar a doença. Para saber como a vacina é aplicada leia: Vacina contra Difteria, Tétano e Coqueluche.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...