Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Transtorno de Identidade e Integridade Corporal: o que é e como tratar

Algumas pessoas saudáveis desejam ser amputadas porque possuem uma síndrome chamada Transtorno de identidade e integridade corporal, embora não seja reconhecida pela DSM-V.

Este transtorno psicológico pode estar associado à apotemnofilia, em que as pessoas, apesar de serem aparentemente saudáveis, não estão felizes com o próprio corpo ou sentem que determinada parte do corpo não fazem parte de si, desejando, por isso, a amputação de um braço ou uma perna, ou desejando até mesmo ficarem cegas.

Estas pessoas demostram insatisfação com o seu próprio corpo desde a infância e isso pode leva-las a provocar acidentes para perderem a parte do corpo que sentem que está 'sobrando'.

Desejo de ser cego
Desejo de ser cego
Desejo de amputar a perna
Desejo de amputar a perna

Como surge o Transtorno de Identidade e Integridade Corporal

Esse transtorno apresenta os primeiros sinais na infância ou no início da adolescência, quando o indivíduo começa a falar sobre a sua insatisfação, a fingir que o membro não existe ou a sentir atração por pessoas com deficiência. Ainda não há uma causa para esse problema, mas ele parece estar ligado a distúrbios afetivos na infância e à necessidade de chamar a atenção. Pode ainda ser associado a alguma falha neurológica que é responsável pelo mapeamento corporal no interior do cérebro, sendo localizado no lobo parietal direito.

Como o cérebro dessas pessoas não reconhece a existência de alguma parte do corpo, como uma mão ou uma perna, por exemplo, elas acabam rejeitando o membro e desejando que ele desapareça. Pessoas com esse transtorno costumam praticar esportes radicais ou provocar acidentes para tentar perder o parte do corpo indesejada, e alguns indivíduos chegam a fazer a amputação do membro sozinhos, o que traz elevados riscos de sangramentos, infecções e morte.

Como é feito o tratamento

Inicialmente, o tratamento para esse transtorno envolve terapia com o psicólogo e o psiquiatra, e o uso de medicamentos para tentar controlar a ansiedade e identificar o problema. No entanto, esse transtorno não tem cura e os pacientes continuam com o desejo de perder uma parte específica do corpo até que isso aconteça.

Apesar de o tratamento cirúrgico não ser reconhecido, alguns médicos apoiam a decisão e fazem a amputação de membros saudáveis do corpo dessas pessoas, que se dizem realizadas após a cirurgia.

Como conviver com pessoas com Transtorno de Identidade e Integridade Corporal

Familiares e amigos de pessoas com o Transtorno de Identidade e Integridade Corporal precisam entender a doença e aprender a conviver com o paciente. Assim como indivíduos que desejam mudar de sexo, essas pessoas acreditam que apenas uma cirurgia de retirada do membro é a solução para o problema.

No entanto, é preciso estar atento para que os indivíduos com esse distúrbio não provoquem acidentes em si próprios ou façam a amputação do membro sem ajuda médica. Além disso, é importante destacar que algumas pessoas após a cirurgia de amputação passam a ter o mesmo problema em outras partes do corpo.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem