Tanchagem: para que serve e como usar

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro

A tanchagem é uma planta rica em flavonoides, alcaloides, terpenoides, iridoides, mucilagem e outros compostos, o que garante as funções antibacteriana, antiviral e anti-inflamatória dessa planta. Por isso, a tanchagem é muito utilizada na preparação de remédios caseiros para tratar a gripe, o resfriado comum e inflamações da garganta, útero e intestino.

Além das propriedades antimicrobiana e anti-inflamatórias, a tanchagem também possui ação anticancerígena, desintoxicante, expectorante, depurativa, diurética, antiespasmódica, descongestionante, cicatrizante e laxante, no caso das sementes.

O nome científico da tanchagem é Plantago major e pertence a família das Plantagináceas. As partes da tanchagem que são utilizadas são suas folhas e sementes, podendo ser comprada em lojas de produtos naturais, farmácias e em algumas feiras livres.

Dessa forma, devido às suas propriedades, a tanchagem pode servir para:

1. Facilitar a cicatrização de feridas

Essa propriedade é devido ao fato da tanchagem ser rica em polifenóis, polissacarídeos e antioxidantes, que são responsáveis por proteger as células contra a destruição causada por mediadores inflamatórios, o que facilita a reparação dos tecidos.

2. Prevenir o surgimento de úlceras gástricas

Alguns estudos científicos indicam que as folhas e as sementes da tanchagem ajudam a prevenir a formação de úlceras gástricas, já que possuem a capacidade de diminuir a acidez do suco gástrico, aliviando o ardor e a dor no estômago.

Além disso, também é capaz de inibir a atividade da bactéria Helicobacter pylori, que quando não é identificada e tratada corretamente, pode levar à formação de úlceras no estômago.

3.  Controlar o açúcar no sangue

A tanchagem possui atividade antidiabética, isso porque melhora o mecanismo com que as células pancreáticas regular os níveis de açúcar no sangue. Além disso, também possui flavonoides, esterois e taninos, que são compostos que exercem efeito hipoglicêmico.

4. Combater a diarreia

Alguns estudos confirma que a tanchagem ajudam a melhorar os sintomas de diarreia por conter taninos, flavonoides e alcaloide, que reduzem a secreção e a acumulação de líquidos no intestino, exercendo efeito antidiarreico.

5. Combater infecções

Devido à presença de de polissacarídeos em sua composição, a tanchagem possui efeitos protetores contra algumas bactérias como o Streptococcus pneumoniae, assim como contra vírus, incluindo o adenovírus, sendo, por isso, muito utilizada no tratamento da gripe comum.

Além disso, as folhas dessa planta podem ser usadas na preparação do chá de tanchagem, que ajuda a fluidificar as secreções acumuladas nos brônquios, aliviando a tosse. Também pode ser utilizado para fazer gargarejo para tratar alterações na boca e na garganta, como afta, faringite, amigdalite e laringite, exercendo efeito anti-inflamatório e antibacteriano.

A tanchagem também possui ação contra bactérias associadas com infecções da pele e infecção do sistema urinário, como Staphylococcus aureus, Escherichia coli e Candida albicans, por exemplo.

6. Prevenir o envelhecimento precoce

Por ser rica em antioxidantes, principalmente compostos fenólicos e flavonoides, a tanchagem evita o dano causado por radicais livres às células, prevenindo o envelhecimento precoce.

Como usar

As folhas de tanchagem pode ser usadas para temperar refeições, preparar o chá ou fazer uma compressa para colocar na pele, ao mesmo tempo em que as suas sementes podem ser ingeridas.

1. Chá de tanchagem

Ingredientes

  • 3 a 4 g de chá de folhas de tanchagem;
  • 240 mL de água.

Modo de preparo

Ferver a água e, em seguida, retirar do fogo e colocar as folhas de tanchagem, deixando repousar por cerca de 3 minutos. Deixar amornar, coar e beber até 3 xícaras por dia.

2. Compressas de tanchagem

As compressas podem ser preparadas com o próprio  chá, devendo molhar um pano no chá e colocar sobre a pele no local da ferida com o objetivo de ajudar a cicatrizar e a diminuir a inflamação da pele.

Possíveis efeitos colaterais

Os principais efeitos colaterais da tanchagem incluem sonolência, cólica intestinal e desidratação.

Quem não deve usar

A tanchagem está contraindicada para grávidas, mulheres que estejam a amamentar e pacientes com problemas de coração. Além disso, não é indicado para pessoas que possuem obstrução intestinal, hipotensão e antes de procedimentos cirúrgicos. É necessário que o médico seja consultado quando a pessoa possui diabetes, já que as sementes de tanchagem podem diminuir muito os níveis de açúcar no sangue, podendo causar hipoglicemia.

Em relação às crianças, o uso da tanchagem deve discutido e orientado pelo pediatra, isso porque até o momento não foram realizados estudos dos efeitos dessa planta em crianças.

Esta informação foi útil?

Fechar
Obrigado pela sua mensagem.
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.
Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em junho de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em junho de 2022.

Bibliografia

  • ADIM Muhammad; TAHER Muhammad et al. Chemical constituents and medical benefits of Plantago major. Biomedicine & Pharmacotherapy. 96. 348-360, 2017
  • Nazarizadeh1 Al et al. Therapeutic Uses and Pharmacological Properties of Plantago major L. and its Active Constituents. Journal of Basic and Applied Scientific Research. 3. 9; 2013
Mostrar bibliografia completa
  • VENTURA, Paulo A. O. et al. Análise fitoquímica e avaliação da susceptibilidade antimicrobiana de diferentes tipos de extratos de Plantago major L. (Plantaginaceae). Infarma - Ciências Farmacêuticas. Vol.28(1). 33-39, 2016
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE E ANVISA. Monografia da espécie Plantago major L. (TANCHAGEM). 2014. Disponível em: <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/25/Vers--o-cp-Plantago-major.pdf>. Acesso em 13 nov 2019
  • DE AQUINO Eronita. Nutrição & Fitoterapia: Tratamento alternativo através das plantas. 2º. Brasil: Vozes, 2011. 229-231.
  • MCINTYRE Anne. Guia completo de Fitoterapia. 1º. Brasil: Pensamento, 2010. 150.