Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como combater os Sintomas da Esclerose Múltipla

A esclerose múltipla manifesta-se através de sintomas que se tornam mais evidentes durante os períodos conhecidos como crise ou surtos da doença, que vão se surgindo ao longo da vida, ou devido a progressão da doença. Assim, estes podem ser muito diferentes, variando de uma pessoa para outra, e podem regredir, desaparecendo completamente ao realizar o tratamento, ou não, ficando algumas sequelas.

Normalmente o tratamento da esclerose múltipla é feito com a toma de remédios para diminuir a progressão da doença, corticoides para reduzir a intensidade e o tempo de permanência das crises e analgésicos ou relaxantes musculares, conforme a necessidade. Saiba mais detalhes da base do tratamento da esclerose múltipla.  

Como lidar com cada sintoma da Esclerose Múltipla 

Alguns sintomas que podem surgir em períodos de crise, ou como forma de progressão da esclerose múltipla são:

1. Formigamento ou dormência no corpo

Este é um sintoma comum em pessoas diagnosticadas com esclerose múltipla, e pode surgir em qualquer local do corpo, inclusive no rosto. Geralmente é causado pelo aumento do calor ou excesso de atividade ou esforço físico.

Como tratar: o tratamento pode ser feito com aumento da dose do medicamento indicado pelo neurologista além da realização de sessões de fisioterapia. Exercícios de alongamento, fortalecimento muscular e técnicas específicas da fisioterapia podem ser usadas para normalizar a sensação corporal. 

Como combater os Sintomas da Esclerose Múltipla

2. Dor de cabeça ou enxaqueca 

A dor de cabeça e a enxaqueca são muito comuns em pessoas com escleros múltipla porque a desmielinização afeta especialmente o nervo ótico, causando também alterações visuais. A enxaqueca pode ser um sinal de uma crise de esclerose múltipla ou não, podendo surgir sem relação nenhuma com uma crise. 

Como tratar: podem ser usados remédios contra enxaqueca indicados pelo neurologista e técnicas como passar um pedrinha de gelo enrolada numa folha de guardanapo pode ser uma estratégia fácil, que afasta o calor e reduz a dor de cabeça em pouco tempo. Nessa fase deve-se evitar alimentos estimulantes como café e coca-cola, sendo indicado preferir um copo de suco de laranja. Confira como a alimentação pode ajudar a combater a enxaqueca

3. Falta de força muscular e perda do equilíbrio 

A diminuição da força dos músculos, a perda do equilíbrio e a consequente dificuldade para caminhar são comuns durante uma crise de esclerose múltipla. Esse sintoma pode ocorrer num período de surto, onde a pessoa pode precisar de usar bengala, muletas ou cadeira de rodas, conseguindo se recuperar depois de algumas semanas ou meses, ou pode ser definitiva devido a paralisia muscular devido a progressão da doença. 

Como tratar: Deve-se realizar exercícios que fortalecem grandes grupos musculares, fazer fisioterapia e manter a vida ativa praticando atividade física regularmente, como natação ou Pilates clínico, por exemplo. Isso é capaz de fortalecer os músculos e fazer com que pessoas possam deixar de usar bengalas ou muletas, se recuperando completamente. No entanto, na forma progressiva da doença, é menos provável que a pessoa se recupere completamente, ficando dependente do uso de cadeiras de rodas, mas mesmo nesse caso é preciso fazer fisioterapia para evitar a contraturas musculares e as escaras que podem surgir na pele. 

Como combater os Sintomas da Esclerose Múltipla

4. Lapsos de memória e dificuldade de concentração

Pessoas diagnosticadas com esclerose múltipla há muitos anos podem apresentar perdas de memória recente e terem mais dificuldade de concentração, apresentando mais dificuldade de organizar seus pensamentos, tal como fazia antes. 

Como tratar: Fazer jogos de memória, sudoku e tomar remédios e suplementos para memória podem ser úteis e indicados pelo médico. Confira os alimentos que podem ajudar a turbinar a memória

5. Incontinência urinária ou fecal 

Uma outra consequência da esclerose múltipla é a perda do controle da total sobre a urina e as fezes. Esse sintoma pode ser leve inicialmente, mas se não tratado tende a piorar, causando constrangimentos. 

Como tratar: Deve-se fazer fisioterapia com exercícios de Kegel para fortalecer os músculos do assoalho pélvico, exercícios como a ginástica hipopressiva para fortalecer o abdômen ao mesmo tempo. Biofeedback e exercícios com bolinhas colocadas dentro da vagina também podem ser indicados para ajudar no controle da urina. Em certos casos, a cirurgia para costurar os músculos do assoalho pélvico ou a bexiga caída pode ser necessária. Saiba mais sobre a cirurgia para incontinência urinária

Veja como fazer os exercícios de kegel nesse vídeo:

6. Problemas de visão 

A neurite ótica, que é um tipo de inflamação do nervo ótico, é uma alteração frequente na escleros múltipla. Esse sintoma nem sempre está relacionado com um período de surto da doença, estando presente de forma mais frequente ao longo da vida. A pessoa pode apresentar visão turva ou embaçada e sensação de dor no fundo do olho. 

Como tratar: o médico pode recomendar exames visuais, uso de colírio para manter a boa lubrificação dos olhos, e se necessário pode ser preciso usar óculos e corticoides para ajudar a acelerar a recuperação, em alguns casos. Apesar de, em alguns casos, a recuperação ser completa, é possível que permaneçam algumas sequelas, como dificuldade em diferenciar cores, alterações do campo visual, sensibilidade à luz ou dificuldades em avaliar distâncias, por exemplo. Saiba mais sobre a neurite ótica

7. Cansaço excessivo 

Pessoas com escleros múltipla ficam cansadas com menos esforço físico, e este sintoma pode durar semanas ou meses, se intensificando nos períodos mais quentes do ano. Por isso, subir um andar de escadas pode ser mais difícil e provocar mais cansaço durante o verão do que no inverno. Esse sintoma acontece tanto na esclerose múltipla progressiva, como na esclerose múltipla 

Como tratar: Deve-se evitar locais quentes, preferindo temperaturas amenas e evitar as atividades extenuantes, os exercícios devem ser realizados devagar e com maior intervalo de tempo, no entanto não é recomendado parar a fisioterapia ou deixar de praticar exercícios regularmente. Também não é recomendo ficar muito tempo de repouso. 

Como combater os Sintomas da Esclerose Múltipla

8. Falta de ar 

A sensação de falta de ar é mais comum na fase mais avançada da doença, e afeta especialmente a forma progressiva da doença, quando os músculos respiratórios se encontram afetados e não permite uma boa entrada de ar, e ainda diminui a eficácia da tosse, que já não é capaz de eliminar completamente as vias aéreas, se tornando fraca e ineficiente.

Como tratar: Deve-se fazer fisioterapia respiratória com execícios e uso de pequenos aparelhos que ajudam a eliminar as secreções dos pulmões. 

9. Depressão 

A esclerose múltipla é uma doença neurodegenerativa que pode provocar grandes alterações e dificuldades no dia a dia da pessoa, e com isso, pode ser difícil lidar com as emoções e perder o interesse pela vida. A pessoa pode mostrar-se triste na maior parte do tempo e se mostrar insegura com medo do amanhã, sendo necessário encontrar uma nova motivação para viver. 

Como tratar: o médico pode receitar remédios antidepressivos, mas sessões de psicologia também podem ser úteis para a pessoa se adequar melhor à sua realidade e limitações. Terapias de grupo também alcançam bons resultados. 

Estes sintomas não surgem todos ao mesmo tempo, mas podem diminuir a qualidade de vida do paciente com esclerose múltipla, por isso, sempre que um sintoma surgir deve-se informar o neurologista que acompanha o caso, para poder ajustar a dose e verificar a necessidade de trocar os remédios contra esclerose. 

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar