Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como identificar a Síndrome de Jerusalém

A Síndrome de Jerusalém é um distúrbio psicológico de caráter extremamente religioso, em que a pessoa, ao chegar em Jerusalém, passa a apresentar ideias obsessivas relacionadas à religião, podendo até mesmo acreditar que é a reencarnação de alguma figura religiosa importante.

Essa síndrome ser desencadeada quando a pessoa chega em Jerusalém ou até mesmo ser o motivo da viagem. A síndrome de Jerusalém pode se manifestar em pessoa de qualquer religião com ou sem problemas psicológicos anteriores e os sintomas normalmente desaparecem uma semana após a saída da pessoa de Jerusalém.

A Síndrome de Jerusalém pode ser diferenciada da Síndrome de Paris, por exemplo, por causa do seu perfil extremamente religioso e do fato de poder acontecer em qualquer pessoa, não somente com japoneses, que é o que ocorre com mais frequência na Síndrome de Paris. Saiba mais sobre a Síndrome de Paris.

Como identificar a Síndrome de Jerusalém

Principais sintomas

Os sintomas da síndrome de Jerusalém são progressivos e, dependendo do estágio que a pessoa se encontra, a síndrome pode ser 'reversível'. São sinais e sintomas da Síndrome de Jerusalém:

  • Ansiedade, nervosismo e agitação;
  • Vontade de se separar do grupo ou da família para viajar sozinho por Jerusalém;
  • Necessidade de sempre estar limpo e puro;
  • Utilização de roupa longa que chega até os tornozelos, geralmente feita com os lençóis do hotel;
  • Urgência em gritar salmos ou versículos bíblicos;
  • Necessidade de realizar procissão para lugares sagrados em Jerusalém;
  • Proferimento de sermões em lugares públicos.

Além disso, a pessoa pode acreditar que é a reencarnação de alguma figura religiosa importante. É importante que os sinais e sintomas da Síndrome de Jerusalém sejam identificados rapidamente para que possa ser feito o tratamento.

Como é feito o tratamento

Os sintomas da Síndrome de Jerusalém normalmente desaparecem depois de 1 semana após a saída da pessoa de Jerusalém. No entanto, as pessoas que tiveram essa síndrome relatam que foi uma experiência de desorientação e lembram de todos os detalhes, sendo recomendado um acompanhamento de um psicólogo para que se possa entender o que levou à síndrome e, assim, evitar que ocorra novamente.

Durante a visita à Jerusalém, caso a pessoa apresente qualquer um dos sintomas, é importante que as pessoas que estão a sua volta não chamem atenção para o problema e a encaminhem para um centro de terapia para que possam ser usados tranquilizantes, caso seja necessário, e para que a pessoa saia da cidade.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...