Pitiríase versicolor: o que é, sintomas, causas e tratamento

setembro 2022

A pitiríase versicolor é uma doença causada por fungos que pode provocar sintomas, como coceira na pele e o surgimento de manchas arredondadas no peito e nas costas, que tendem a piorar nos meses mais quentes e úmidos.

A pitiríase versicolor, também conhecida como pano branco, é causada por fungos que estão naturalmente presentes na pele, como o Malassezia furfur, no entanto devido à gravidez ou imunidade baixa, por exemplo, o fungo pode se multiplicar e levar ao aparecimento dos sintomas. Conheça o que é pano branco e seus sintomas.

Assim, em caso de suspeita de pitiríase versicolor é importante consultar um dermatologista para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado, que geralmente envolve o uso de antifúngicos na forma de shampoos ou pomadas.

Sintomas de pitiríase versicolor

Os principais sintomas de pitiríase versicolor são:

  • Manchas claras, escuras ou avermelhadas na pele;
  • Descamação da pele sobre as manchas;
  • Coceira no local afetado.

Normalmente, as manchas tendem a aparecer nas costas ou no peito, mas também podem surgir no rosto, pescoço ou braços. Além disso, os sintomas geralmente pioram nos meses mais quentes e úmidos e, quando não tratada, as manchas podem aumentar de tamanho com o tempo.

Principais causas

A pitiríase versicolor é causada por fungos, como o Malassezia furfur e o Malassezia globosa, que normalmente são encontrados na pele. No entanto, estes fungos podem se multiplicar em pessoas que possuem predisposição genética, mulheres grávidas, pessoas com pele mais oleosa ou que possuem a atividade do sistema imune comprometido, como em caso de infecção pelo HIV, resultando no aumento da produção de substâncias de impedem a produção de melanina, levando ao aparecimento das manchas típicas da pitiríase versicolor.

Pitiríase versicolor é contagiosa?

A pitiríase versicolor não é considerada contagiosa, porque os fungos causadores podem ser encontrados na pele das pessoas saudáveis sem que isso seja considerado um problema.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de pitiríase versicolor é feito pelo dermatologista levando em consideração os sintomas apresentados e as características das manchas na pele. O médico pode também realizar o exame com a lâmpada de Wood com o objetivo de avaliar com mais detalhes as manchas presentes na pele. Entenda para que serve e como é feito o exame com a lâmpada de Wood.

Nos casos em que há dúvidas, o médico também pode indicar a análise da descamação das manchas, que é capaz de confirmar o diagnóstico quando o fungo é identificado.

Como é feito o tratamento

O tratamento da pitiríase versicolor pode envolver:

1. Sabonetes e shampoos antifúngicos

Sabonetes e shampoos contendo antifúngicos podem ser indicados e são capazes de remover camadas de células mortas da pele contaminadas pelo fungo e impedir a invasão da pele. 

Assim, sabonetes e shampoos com cetoconazol, sulfeto de selênio 2.5%, piritionato de zinco ou enxofre e ácido salicílico podem ser indicados e, normalmente, uma melhora pode ser notada em cerca de 2 a 3 semanas após o tratamento.

2. Pomadas antifúngicas

As pomadas antifúngicas indicadas no tratamento da pitiríase versicolor geralmente contém cetoconazol ou terbinafina e são capazes de eliminar o fungo e inibir a sua multiplicação. 

3. Antifúngicos orais

Medicamentos antifúngicos orais, como itraconazol ou fluconazol, também são opções de tratamento, no entanto geralmente são indicados apenas nos casos mais graves, que apresentam manchas resistentes, recorrentes ou afetando partes maiores do corpo. Nestes casos, o tempo de tratamento pode variar desde alguns dias até algumas semanas. 

Pitiríase versicolor tem cura?

A pitiríase versicolor pode ser curada quando tratada de acordo com a orientação do médico. No entanto, em alguns casos, as manchas da pitiríase versicolor podem voltar a aparecer, sendo importante voltar ao dermatologista para que seja feita nova avaliação e seja indicada outra opção de tratamento.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • PLENSDORF, Scott; LIVIERATOS, Maria; DADA, Nabil. Pigmentation Disorders: Diagnosis and Management. Am Fam Physician. Vol.96, n.12. 797-804, 2017
  • MATHUR, Mahesh et al. Dermoscopic pattern of pityriasis versicolor. Clin Cosmet Investig Dermatol. Vol.12. 303–309, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • SAUNTE, Ditte M. L; GAITANIS, George; HAY, Roderick J. Malassezia-Associated Skin Diseases, the Use of Diagnostics and Treatment. Front Cell Infect Microbiol. Vol.10. 112, 2020
  • HUDSON, Andrew; STURGEON, Ashley; PEIRIS, Alan. Tinea Versicolor. JAMA. Vol.320, n.13. 1396, 2018
  • STATPEARLS. Tinea Versicolor. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK482500/>. Acesso em 15 set 2022
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.