Panhipopituitarismo: o que é, sintomas e como é feito o tratamento

julho 2018

O panhipopituitarismo é uma doença rara que corresponde à diminuição ou falta de produção de diversos hormônios devido à alteração na hipófise, que é uma glândula localizada no cérebro responsável por regular várias outras glândulas do corpo e, assim, levar à produção de hormônios essenciais para o bom funcionamento do organismo.

A falta de hormônios pode levar ao surgimento de diversos sintomas, como perda de peso, alteração do ciclo menstrual, diminuição da estatura, cansaço excessivo e problemas de fertilidade, por exemplo. Assim, a principal maneira de diminuir os sintomas dos panhipopituitarismo é por meio da reposição hormonal, que deve ser feita de acordo com a orientação do endocrinologista.

Principais sintomas

Os sintomas do panhipopituitarismo dependem de quais hormônios não são produzidos ou são produzidos em menor concentração, como por exemplo:

  • Perda de peso, devido à diminuição de hormônios tireoidianos;
  • Perda do apetite;
  • Cansaço excessivo;
  • Alterações de humor;
  • Dificuldade para engravidar e desregulação do ciclo menstrual, devido à diminuição da produção de hormônios sexuais femininos;
  • Diminuição da capacidade de produção de leite nas mulheres;
  • Diminuição da estatura e atraso na puberdade em crianças, já que a produção do hormônio do crescimento (GH) é comprometida;
  • Perda de barba e problemas relacionados à fertilidade nos homens, devido à diminuição da produção de testosterona e, consequentemente, maturação dos espermatozoides.

A partir dos sintomas descritos pela pessoa e de exames laboratoriais que têm como finalidade a dosagem dos hormônios no sangue, o médico endocrinologista consegue concluir o diagnóstico e indicar quais os medicamentos que a pessoa deve tomar.

As pessoas com panhipopituitarismo têm mais chance de desenvolver a diabetes insipidus, que acontece devido à diminuição da produção do hormônio antidiurético (ADH), o que leva ao aumento da concentração de glicose no sangue devido à diminuição da concentração de água, além de desidratação e muita sede. Saiba mais sobre a diabetes insipidus.

Como é feito o tratamento

O tratamento é feito de acordo com a orientação do endocrinologista e é feito por meio da reposição hormonal através do uso de medicamentos. Como a hipófise controla a produção de diversos hormônios, pode ser necessário que a pessoa faça reposição de:

  • ACTH, também chamado de hormônio adrenocorticotrófico ou corticotrofina, que é produzido pela hipófise e estimula a produção de cortisol, que é um hormônio responsável por controlar a resposta ao estresse e por permitir a adaptação fisiológica do organismo a novas situações. Entenda para que serve o cortisol;
  • TSH, também chamado de hormônio tireoestimulante, que é produzido pela hipófise e é responsável por estimular a tireoide a produzir os hormônios T3 e T4, que desempenham papéis fundamentais no metabolismo;
  • LH, conhecido por hormônio luteinizante, que estimula a produção de testosterona nos homens e progesterona nas mulheres, e FSH, conhecido por hormônio folículo estimulante, que permite a regulação da produção dos espermatozoides e maturação dos óvulos. Assim, quando há diminuição da produção desses hormônios devido a problemas na hipófise, por exemplo, há diminuição da fertilidade de homens e mulheres além da perda de pêlos e desregulação do ciclo menstrual, por exemplo. Saiba mais sobre o hormônio FSH;
  • GH, conhecido por hormônio do crescimento ou somatotropina, é produzido pela hipófise e é responsável pelo crescimento de crianças e adolescentes, além de auxiliar em funções metabólicas do organismo.

Além disso, devido às mudanças no humor devido às alterações hormonais, o médico pode indicar o uso de antidepressivos leves e até mesmo ansiolíticos para diminuir os sintomas relacionados às variações bruscas de humor.

O médico pode recomendar também a reposição de cálcio e potássio, que são minerais importantes para diversos processos metabólicos do organismo, já que algumas alterações hormonais cursam com diminuição da concentração desses minerais no sangue.

Possíveis causas

A causa mais comum de panhipopituitarismo é o tumor na hipófise, que, dependendo do estágio do tumor, pode ser necessário a remoção da hipófise. No entanto, nem sempre que houve tumor na hipófise significa que a pessoa irá sofrer de panhipopituitarismo, o que só acontece quando a glândula precisa ser removida.

Além disso, a panhipopituitarismo pode acontecer devido à infecções que atingem o cérebro, como a meningite, por exemplo, síndrome de Simmonds, que é uma doença congênita, ou até mesmo ser consequência dos efeitos da radiação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em julho de 2018.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.