Lamivudina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

fevereiro 2022

Lamivudina é o nome genérico do remédio conhecido comercialmente como Epivir, utilizado no tratamento do HIV e da AIDS em adultos e crianças com mais de 3 meses de idade, que ajuda a reduzir a quantidade do vírus HIV no organismo e a progressão da doença.

O uso da Lamivudina só deve ser feito sob prescrição médica e em associação com outros remédios antirretrovirais usados para tratar pacientes HIV positivos.

Para que serve

A Lamivudina está indicada no tratamento do HIV e da AIDS em adultos e crianças com mais de 3 meses de idade, sendo normalmente associado a outros remédios para o tratamento da infecção por HIV.

A Lamivudina não cura a AIDS nem reduz o risco de transmissão do vírus HIV, por isso, o paciente deve manter alguns cuidados como usar camisinha em todos os contatos íntimos, não usar ou compartilhar agulhas usadas e objetos pessoais que possam conter sangue como lâminas de barbear.

Como tomar

O modo de uso da Lamivudina varia de acordo com a idade do paciente, sendo que:

  • Adultos e adolescentes acima de 12 anos de idade: 1 comprimido de 150 mg duas vezes ao dia, em combinação com outros remédios para AIDS;
  • Crianças entre 3 meses e 12 anos de idade: 4 mg/kg, duas vezes ao dia, até no máximo 300 mg por dia. Para doses abaixo de 150 mg, recomenda-se o uso de Epivir Solução Oral.

Em caso de doença renal, a dose da Lamivudina pode ser alterada, por isso, é recomendado seguir sempre as orientações do médico.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais da Lamivudina incluem dor de cabeça e no estômago, cansaço, tontura, febre, náuseas, vômitos, diarreia, febre, pancreatite, vermelhidão e coceira na pele, sensação de formigamento nas pernas, dor nas articulações e nos músculos, anemia, queda de cabelo, acidose láctica e acúmulo de gordura.

Contraindicações

A Lamivudina está contraindicada em pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula, em crianças com menos de 3 meses de idade e peso inferior a 14 kg, e em pacientes que estejam tomando Zalcitabina.

No entanto, é importante consultar o médico em caso de gravidez ou se está tentando engravidar, amamentação, diabetes, problemas nos rins e infecção com o vírus da Hepatite B, e informar se está tomando outros medicamentos, vitaminas ou suplementos.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em fevereiro de 2022.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.