Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é a hernia diafragmática congênita

A hernia diafragmática congênita caracteriza-se por uma abertura no diafragma, presente ao nascimento, que permite o deslocamento dos órgãos da região abdominal para o peito.

Isto acontece porque, durante a formação do feto, o diafragma não se desenvolve corretamente, permitindo que órgãos localizados na região abdominal, se movam para o tórax, podendo pressionar os pulmões, dificultando assim o seu desenvolvimento.

Esta doença deve ser corrigida o mais rapidamente possível, sendo que o tratamento consiste na realização de uma cirurgia, para corrigir o diafragma e reposicionar os órgãos.

O que é a hernia diafragmática congênita

Quais os sintomas

Os sintomas que podem ocorrer em pessoas com hérnia diafragmática congênita, estão dependentes do tamanho da hernia, assim como dos órgão que migraram para a região do tórax. Assim, os sintomas mais comuns são:

  • Dificuldade para respirar, causada pela pressão de outros órgãos sobre o pulmão, que o impediram de se desenvolver corretamente;
  • Aumento da frequência respiratória, que acontece para compensar a dificuldade respiratória;
  • Aumento dos batimentos do coração, que também ocorre para compensar a ineficiência dos pulmões e permitir a oxigenação dos tecidos;
  • Coloração azul da pele devido à insuficiente oxigenação dos tecidos;.

Além disso, algumas pessoas podem perceber que a barriga está mais encolhida que o normal, o que se deve à região abdominal que pode recolher devido à ausência de alguns órgão que se encontram na região torácica, podendo mesmo conter os intestinos.

Possíveis causas

Ainda não se sabe ao certo o que está na origem da hérnia diafragmática congênita, mas já se sabe que se relaciona com mutações genéticas e observa-se que as mães que são muito magras ou estão abaixo do peso podem ter um risco maior de gestar uma criança com esse tipo de alteração.

Em que consiste o diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito ainda antes do nascimento, na barriga da mãe, durante a realização de uma ecografia. Se não for detectada durante exames pré-natais, geralmente é diagnosticada ao nascimento devido à presença de sintomas, como dificuldades respiratórias, movimentos anormais no tórax, coloração azulada da pele, entre outros sinais e sintomas característicos da doença.

Depois do exame físico, na presença desses sintomas, o médico pode sugerir a realização de exames de imagem como raios-X, ressonância magnética, ultrassom ou tomografia computadorizada, para observar a posição dos órgãos. Além disso, também pode solicitar a medição de oxigênio no sangue, para avaliar o funcionamento dos pulmões.

Como é feito o tratamento

O tratamento consiste em, inicialmente, realizar medidas de cuidados intensivos do bebê, e posteriormente na realização de uma cirurgia, em que a abertura no diafragma é corrigida e os órgãos são recolocados no abdômen, de forma a liberar espaço no tórax, para que os pulmões sejam capazes de se expandir corretamente.

Bibliografia >

  • CHANDRASEKHARAN, Praveen Kumar et. al.. Congenital Diaphragmatic hernia – a review. Maternal Health, Neonatology, and Perinatology. Vol.6. 3.ed; 1-16, 2017
  • SANTOS, Elisabete et. al.. Hérnia diafragmática congénita – artigo de revisão. Acta Obstet Ginecol Port. Vol.2. 1.ed; 25-33, 2008
  • HOLCOMB III, G.W. et al. Ashcraft: Cirurgia Pediátrica. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017. pp. 187-203.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem