Consequências da falta de vitamina E

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
setembro 2018

A falta de vitamina E é rara, mas pode acontecer devido a problemas relacionados à absorção intestinal, o que pode resultar em alterações na coordenação, fraqueza muscular, infertilidade e dificuldade para engravidar, por exemplo.

A vitamina E é um ótimo antioxidante, prevenindo o envelhecimento, doenças cardiovasculares e o câncer, por exemplo, além de fortalecer o sistema imune e participar na formação de diversos hormônios, possuindo também papel importante no que diz respeito ao sistema reprodutor. Saiba para que serve a vitamina E.

Consequências da falta de vitamina E

A falta de vitamina E é rara e normalmente é resultado de problemas relacionados à absorção da vitamina, podendo ser devido à insuficiência pancreática ou atresia biliar, que corresponde à fibrose e obstrução das vias biliares, não sendo possível a sua absorção no intestino.

Essa vitamina tem importância na formação de hormônios e remoção dos radicais livres, assim, os sintomas de deficiência de vitamina E estão relacionados ao sistema vascular, reprodutor e neuromuscular, podendo resultar em diminuição dos reflexos, dificuldades na marcha e na coordenação, fraqueza muscular e dor de cabeça. Além disso, pode aumentar o risco de aterosclerose bem como interferir na fertilidade.

Falta de vitamina E no bebê

Os bebês recém-nascidos têm baixas concentrações de vitamina E porque há pouca passagem através da placenta, no entanto, isso não é um grande motivo de preocupação porque o leite materno é suficiente para suprir a necessidade de vitamina E que o bebê precisa.

Somente quando o bebê nasce prematuro é que existe uma maior preocupação com a quantidade dessa vitamina no corpo, e por isso o médico pode solicitar um exame de sangue para saber se o bebê está com falta de vitamina E, embora isso nem sempre seja necessário.

Os principais sintomas relacionados a deficiência de vitamina E nos bebês são fraqueza muscular e anemia hemolítica entre a sexta e a décima semana de vida, além de um problema ocular chamado retinopatia da prematuridade. Quando mesmo com o leite materno o bebê não tem acesso a quantidades adequadas de vitamina E, o pediatra pode recomendar a suplementação de vitamina E. Nos casos de retinopatia de prematuridade e sangramento intracerebral, é administrada cerca de 10 a 50 mg de vitamina E diariamente sob supervisão médica.

Onde encontrar a vitamina E

É possível evitar a falta de vitamina E por meio do consumo de alimentos que sejam ricos nessa vitamina, como manteiga, gema de ovo, óleo de girassol, amêndoas, avelãs e castanha-do-pará, por exemplo. O nutricionista também pode recomendar o uso de suplementos dessa vitamina caso haja necessidade. Conheça os alimentos ricos em vitamina E.

A falta de vitamina E pode ser tratada com o consumo de alimentos ricos em vitamina E como óleo de girassol, amêndoas, avelãs ou castanha-do-pará mas também se pode usar suplementos alimentares à base de vitamina E, que devem ser aconselhados pelo médico ou nutricionista.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em setembro de 2018. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em setembro de 2018.
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.