Espinheira-santa: para que serve e como fazer o chá

A espinheira-santa é uma planta medicinal da espécie Maytenus ilicifolia, rica em flavonóides, taninos e triterpenos, que têm propriedades antioxidantes, cicatrizantes e protetoras gástricas, sendo, por isso, popularmente utilizada como remédio caseiro para auxiliar no tratamento de úlcera gástrica, azia, gastrite, acne ou eczema.

A parte normalmente utilizada da espinheira-santa, são as folhas de onde são extraídas as substâncias ativas que podem ser usadas na forma de chá, compressas, extrato fluido ou cápsulas, encontradas em ervanárias ou lojas de produtos naturais.

Embora tenha benefícios para a saúde, o uso desta planta medicinal não substitui o tratamento médico e deve ser sempre feito com orientação médica, ou de outro profissional de saúde que tenha experiência com o uso de plantas medicinais.

Para que serve

Por suas propriedades medicinais, a espinheira-santa normalmente é indicada para:

1. Melhorar problemas no estômago

A espinheira-santa é rica taninos, como a epigalocatequina, e polissacarídeos, como o arabinogalactano, com forte ação antioxidante, anti-inflamatória e protetora gástrica, que ajudam a melhorar problemas de estômago como úlcera gástrica, azia, gastrite, má digestão ou dor de estômago.

Isto porque as substâncias ativas da espinheira santa ajudam a diminuir a acidez estomacal e a proteger o estômago do próprio ácido que produz, aliviando sintomas gástricos como dor ou sensação de queimação no estômago.

Além disso, alguns estudos [1,2] feitos com ratos em laboratório mostram ainda que a espinheira-santa tem efeito semelhante à cimetidina, um medicamento utilizado para reduzir a produção de ácido pelo estômago.

2. Combater o H. pylori

Alguns estudos [3,4] mostram que a espinheira-santa também tem ação antibacteriana, sendo muito útil para combater a infecção pela bactéria H. Pylori, que pode causar lesões e úlceras no estômago.

3. Auxiliar no tratamento do câncer

Estudos [4] utilizando células do câncer de pulmão, mama e fígado mostraram que a espinheira santa pode diminuir a proliferação de células cancerosas, devido à presença do triterpenoide pristimerina . No entanto, ainda são necessários mais estudos em humanos que comprovem esse benefício.

4. Melhorar o funcionamento intestinal

A espinheira-santa pode ajudar a melhorar o funcionamento intestinal por ter uma leve ação laxativa. Dessa forma, beber o chá desta planta pode ajudar a tratar casos de prisão de ventre leve a moderada.

5. Tem ação diurética

A espinheira santa tem leve ação diurética, o que significa que eliminar o excesso de líquidos do corpo, podendo ser útil para auxiliar no tratamento da retenção de líquidos, mas também no tratamento de infecções urinárias, já que mantém o trato urinário limpo.

6. Ajudar na cicatrização da pele

A espinheira santa tem ação analgésica e cicatrizante, que quando usada sobre a pele, pode ajudar no tratamento de problemas de pele como eczema ou acne.

7. Combater infecções bacterianas

Alguns estudos [6,7]in vitro feitos em laboratório mostram que a espinheira-santa possui substâncias com ação antimicrobiana como maitenina e friedelina, que ajudam a combater bactérias como:

  • Staphylococcus aureus, que causam infecções pulmonares, de pele e ósseas;
  • Streptococcus sp., que causam infecção urinária, na pele ou nas gengivas;
  • Escherichia coli, que causa infecção urinária;

Além disso, a espinheira santa também possui ação contra o fungo Aspergillus nigrans que pode causar aspergilose. Saiba o que é aspergilose.

Como usar

A espinheira-santa pode ser usada na forma de chá ou cápsulas, preparados com as folhas secas ou frescas da planta.

1. Chá de espinheira-santa

O chá de espinheira-santa deve ser preparado com as folhas secas dessa planta e usado por um período máximo de 6 meses de tratamento, conforme orientação médica.

Ingredientes

  • 1 colher (de chá) de folhas secas de espinheira-santa;
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo

Adicionar as folhas de espinheira santa e a água em uma vasilha e ferver por 5 minutos. Desligar o fogo, tampar e deixar repousar por cerca de 15 minutos. Coar e tomar morno, até 3 vezes por dia, em jejum, ou cerca de 30 minutos antes das refeições.

2. Cápsulas de espinheira-santa

As cápsulas de espinheira-santa podem ser encontradas na dose de 380 mg de extrato seco das folhas de Maytenus ilicifolia e devem ser tomadas inteiras com um copo de água, sem abrir as cápsulas ou mastigá-las.

A dose normalmente recomendada é de 2 cápsulas de 380 mg de espinheira-santa, 3 vezes ao dia, ou seja, de 8 em 8 horas, antes das principais refeições.

3. Extrato-fluido de espinheira-santa

O extrato-fluido de espinheira-santa deve ser tomado por via oral, sendo que a dose recomendada é de 15 a 20 gotas diluídas em 200ml de água, 3 vezes por dia após as refeições, ou conforme recomendação médica.

4. Compressas de espinheira-santa

Para problemas de pele como eczema, cicatrizes ou acne, podem ser aplicadas compressas quentes com chá de espinheira-santa diretamente na lesão.

Ingredientes

  • 3 g de folhas secas de espinheira-santa;
  • 150 mL de água fervente.

Modo de preparo

Adicionar as folhas secas de espinheira-santa na água fervente. Esperar amornar e aplicar sobre a pele afetada diariamente.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns que podem surgir durante o uso da espinheira-santa são sensação de boca seca, náusea ou alteração do paladar, especialmente quando usada em quantidades maiores do que as recomendadas ou por mais de 6 meses.

Além disso, a espinheira santa pode causar reações alérgicas e por isso, o seu uso deve ser feito somente com orientação médica ou de um profissional de saúde com experiência em plantas medicinais.

Quem não deve usar

A espinheira-santa não deve ser usada durante a gravidez, pois pode causar contrações uterinas e aborto, e também não deve ser usada por mulheres em amamentação, porque pode provocar redução da quantidade de leite materno.

A planta deve ainda ser evitada por crianças com menos de 12 anos ou pessoas que tenham alergia conhecida à espinheira-santa.

Esta informação foi útil?

Fechar
Obrigado pela sua mensagem.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.
Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em março de 2022.

Bibliografia

  • SANTOS-OLIVEIRA, Ralph; et al. Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição ao estudo das propriedades farmacológicas. Revista Brasileira de Farmacognosia. 19. 2B; 650-659, 2009
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Formulário de Fitoterápicos - Farmacopeia Brasileira - 2ª edição. 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/formulario-fitoterapico/arquivos/2021-fffb2-final-c-capa2.pdf>. Acesso em 12 nov 2021
Mostrar bibliografia completa
  • GRANDI, Telma Sueli Mesquita. Tratado das Plantas Medicinais: mineiras, nativas e cultivadas. 1ed. Minas Gerais: Adaequatio Estudio, 2014. 582-582.
  • HERBARIUM LABORATÓRIO BOTÂNICO LTDA. Espinheira Santa. 2011. Disponível em: <https://herbarium.com.br/produtos/sistema-digestorio/espinheira-santa-herbarium/>. Acesso em 12 nov 2021
  • SOUZA-FORMIGONI, M. L. O.; et al. Antiulcerogenic effects of two Maytenus species in laboratory animals. Journal of Ethnopharmacology. 34. 1; 21-27, 1991
  • ALONSO, Jorge; DESMARCHELIER, Cristian. Maytenus ilicifolia Martius (Congorosa) . Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas. 6. 1; 11 - 22, 2007
  • DUTRA, Rafael C.; et al. Medicinal plants in Brazil: pharmacological studies, drug discovery, challenges and perspectives. Pharmacological Research. 112. 4-29, 2016
  • MARIOT, M. P.; BARBIERI, R. L. Metabólitos secundários e propriedades medicinais da espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reiss. e M. aquifolium Mart.). Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu. 9. 3; 89-99, 2007
  • ALONSO Jorge et al. Maytenus ilicifolia Martius (Congorosa) . Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas. 6. 1; 11-22, 2007