Epididimite: o que é, sintomas, causas e tratamento

Clínico geral
Fevereiro 2021

A epididimite corresponde à inflamação do epidídimo, que é um pequeno ducto que faz a ligação do canal deferente ao testículo, e que é responsável pela coleta e armazenamento dos espermatozoides que são produzidos pelos testículos.

Essa inflamação pode acontecer como consequência de uma doença infecciosa crônica ou ser devido a alguma infecção sexualmente transmissível, o que pode levar ao aparecimento de alguns sinais e sintomas como inchaço do saco escrotal e do na região genital principalmente ao caminhar ou movimentar a região.

O tratamento da epididimite deve ser orientado pelo urologista de acordo com a causa e intensidade dos sintomas, podendo ser indicado o uso de antibióticos ou medicamentos anti-inflamatórios para aliviar a dor e o desconforto.

Principais sintomas

Os sintomas da epididimite surgem à medida que ocorre a inflamação do epidídimo, sendo os principais:

  • Febre baixa constante e arrepios;
  • Dor intensa na região escrotal ou pélvica;
  • Sensação de pressão nos testículos;
  • Inchaço do saco escrotal;
  • Ínguas inflamadas na virilha;
  • Dor durante o contato íntimo ou ao urinar;
  • Presença de sangue no sêmen.

Estes sintomas podem começar mais leves e ir piorando ao longo do tempo, até ao ponto em que não é possível se movimentar devido à dor intensa. Sempre que surgem sintomas que possam indicar uma alteração nos testículos é importante consultar o urologista, para fazer identificar a causa correta e iniciar o tratamento mais adequado.

O diagnóstico da epididimite deve ser feito pelo urologista a partir da observação e palpação da região íntima, além de poder ser recomendada a realização de exames de urina, ultrassonografia com Doppler, tomografia computadorizada ou ressonância magnética para identificar a causa da inflamação.

Causas de epididimite

A epididimite pode ser causada por uma infecção sexualmente transmissível, como clamídia ou gonorreia, ou acontecer quando existe outra infecção como tuberculose, prostatite ou infecção urinária, por exemplo.

Apesar de ser mais frequente em adolescentes e adultos, a epididimite pode também acontecer em crianças e ser causada por uma pancada forte na região íntima, pela torção do testículo ou ser consequência de alterações anatômicas do testículo.

Como é feito o tratamento

O tratamento da epididimite deve ser orientado pelo urologista de acordo com a intensidade dos sintomas e causa da inflamação. No caso da epididimite ter sido causada por uma infecção, o médico pode recomendar o uso de antibióticos, como Doxiciclina, Ciprofloxacino ou Ceftriaxona, que deve ser usados de acordo com a orientação médica, mesmo que os sintomas não estejam mais presentes.

Além disso, para aliviar os sintomas é ainda aconselhado manter o repouso, evitar pegar em objetos muito pesados e aplicar gelo na região. O urologista pode ainda receitar remédios anti-inflamatórios e analgésicos como Ibuprofeno ou Paracetamol, para melhorar o bem-estar durante a recuperação.

Este tipo de tratamento normalmente tem bastante sucesso e a melhora dos sintomas surgem em cerca de 2 semanas, no entanto, em alguns casos a epididimite pode demorar até 3 meses para desaparecer completamente. Nestes casos, o médico pode ainda avaliar a necessidade de fazer cirurgia, especialmente se a epididimite não estiver sendo causada por uma infecção mas sim por uma alteração da anatomia dos testículos, por exemplo.

Esta informação foi útil?   

Sua opinião é importante! Escreva aqui como podemos melhorar o nosso texto:

Ficou alguma dúvida? Clique aqui para ser respondido.
Verifique o email de confirmação que lhe enviamos.
Fechar
Obrigado pela sua mensagem.
Informação do autor:
Dr. Arthur Frazão
Clínico geral
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878

Bibliografia

  • MENDONÇA, Tiago M. Epididimite no adulto. Acta Urológica. Vol 24. 1 ed; 83-89,
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE UROLOGIA. Manual de Urologia. Disponível em: <http://sbu-sp.org.br/admin/upload/os1658-manu-manualdeurologia-03-08-10.pdf>. Acesso em 26 Fev 2021