Diabulimia: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
fevereiro 2022

A diabulimia é um transtorno alimentar grave que acontece em pessoas com diabetes, principalmente diabetes do tipo 1, em que a pessoa, intencionalmente, reduz ou deixa de tomar a quantidade de insulina necessária para controlar os seus níveis de açúcar no sangue, com o objetivo de perder peso.

Esse transtorno se deve ao fato de que as pessoas com diabetes possuem maior tendência ao ganho de peso e, por isso, passam a ter maior controle excessivo sobre a alimentação e insatisfação com a sua imagem, fazendo com que decidam injetar uma quantidade menor de insulina.

Apesar dessa alteração não ser conhecida como uma doença pelos órgãos internacionais de saúde, é importante ficar atento aos sinais e sintomas que podem indicar esse transtorno, já que pode colocar em risco a vida da pessoa. Dessa forma, é recomendado que o psicólogo, assim como o clínico geral ou o endocrinologista sejam consultados para orientar melhor o tratamento.

Sintomas de diabulimia

A diabulimia geralmente não consegue ser identificada com facilidade e na maioria dos casos a pessoa que possui esse transtorno não tem consciência do seu problema, de forma que familiares ou amigos podem levar em consideração algumas características, sendo as principais:

  • Diminuição da quantidade de insulina aplicada ou ausência de aplicação de algumas doses;
  • Evita as consultas médicas de controle;
  • Preocupação excessiva com a imagem corporal;
  • Aumento ou diminuição brusca do consumo de alimentos;
  • Preocupação com as refeições, peso e/ ou calorias;
  • Evitar comer em família ou em público;
  • Depressão e/ ou ansiedade;
  • Prática de atividade física de forma excessiva;
  • Perda de peso sem causa aparente.

Além disso, como a pessoa não toma insulina, a qual é necessária para que a energia dos alimentos consumidos seja utilizada pelas células do organismo, é possível resultar na cetoacidose diabética, que tem como sintomas sede excessiva, náuseas, vômitos, dor no estômago, cansaço frequente, dor de cabeça, falta de ar e hálito com cheiro frutado. Saiba mais sobre a cetoacidose diabética.

Outra forma de verificar se a pessoa possui esse transtorno é comparando os valores da glicemia de um período anterior com o atual, em que é possível observar aumento dos valores da glicose.

Principais causas

Como as pessoas com diabetes do tipo 1 possuem maior risco de aumentar de peso devido às altas doses de insulina, devem ter mais atenção com a alimentação e realizar controle permanente, o que pode ter como resultado alterações emocionais e comportamentais, levando ao desenvolvimento desse tipo de transtorno alimentar.

Como é feito o tratamento

Uma vez que é um transtorno psicológico a diabulimia deve ser discutida com um psicólogo, primeiro para confirmar o diagnóstico e, depois, para iniciar o tratamento mais adequado. No entanto, outros profissionais de saúde que estão acostumados a lidar com a diabetes, como nutricionistas ou endocrinologistas, também devem fazer parte do processo do tratamento.

Normalmente, o plano de tratamento é iniciado com sessões de psicoterapia para ajudar a pessoa a ter uma imagem corporal própria mais positiva e desmistificar a relação do uso de insulina com as alterações de peso.

Dependendo do grau do transtorno, poderá ainda ser necessário fazer um controlo mais regular no endocrinologista, assim como envolver toda a família para ajudar a pessoa a ultrapassar essa fase.

Possíveis complicações

Por ser um transtorno alimentar, a diabulimia é uma situação muito séria que pode colocar a vida em risco.

As primeiras complicações deste transtorno estão relacionadas diretamente com o aumento dos níveis de açúcar no sangue que acabam dificultando a cicatrização de feridas, facilitando o surgimento de infecções, perda de massa muscular, alterações no ciclo menstrual e/ ou desidratação.

Já a longo prazo, podem surgir complicações ainda mais graves, como:

  • Perda progressiva da visão;
  • Inchaço dos olhos;
  • Perda de sensibilidade nos dedos dos pés e mãos;
  • Amputação de pés ou mãos;
  • Diarreia crônica;
  • Problemas digestivos;
  • Doenças renais e do fígado;
  • Problemas cardíacos.

Além disso, como existe falta de insulina no sangue, o organismo não consegue absorver corretamente os nutrientes dos alimentos ingeridos, acabando por deixar o corpo em uma situação de má nutrição e fome que, juntamente com as outras complicações pode deixar a pessoa em coma diabético e até levar à morte.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em fevereiro de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em fevereiro de 2022.

Bibliografia

  • COLEMAN, Sophie; CASWELL, Noreen. Diabetes and eating disorders: an exploration of ‘Diabulimia’. BMC Psychology. 101. 8; 1-7, 2020
  • FERRERO, F et al. Diabulimia: An updated perspective. Enfermería clínica. 1-2, 2021
Mostrar bibliografia completa
  • DAVIDSON, Jennifer. Diabulimia: how eating disorders can aect adolescents with diabetes. Art & science diabetes. 29. 2; 44-49, 2014
  • Instituto Nacional de Endocrinología. La Habana, Cuba. Instituto Nacional de Ciencias Médicas y de la Nutrición Salvador Zubirán. Departamento de Biología de la Reproducción. Ciudad de México.. Hacia un definición y consenso del término “diabulimia”. Scielo. vol. 31. 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. O que é diabulimia, como se manifesta e quais as consequências?. Disponível em: <https://diabetes.org.br/o-que-e-diabulimia-como-se-manifesta-e-quais-as-consequencias/>. Acesso em 11 fev 2022
  • NATIONAL EATING DISORDERS ASSOCIATION. DIABULIMIA. Disponível em: <https://www.nationaleatingdisorders.org/diabulimia-5>. Acesso em 11 fev 2022
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.