Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Novo curativo muda de cor quando infectado por bactérias

Fevereiro 2020

Pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências, em Changchun na China, criaram um novo curativo, parecido com um band-aid, capaz de mudar de cor ao detectar bactérias sensíveis a antibióticos, nas feridas da pele. Na presença destas bactérias, este novo curativo fica com a cor amarela, e além de alertar sobre a infecção na ferida, também libera antibióticos para cicatrizar mais rapidamente os machucados.

Nas situações em que a bactéria presente na ferida é resistente ao antibiótico, o novo curativo fica com coloração mais próxima do vermelho e, nestes casos, é aplicada uma terapia de luz, que combate esta bactéria resistente, enfraquecendo sua ação, ajudando a curar a ferida na pele.

Este estudo foi feito apenas em camundongos e por isso ainda não tem aprovação dos órgãos competentes para uso em pessoas, porém os pesquisadores acreditam que brevemente este novo curativo poderá ser aplicado em seres humanos.

Novo curativo muda de cor quando infectado por bactérias

Como foi feito o estudo

Um estudo realizado por pesquisadores da China, na Academia Chinesa de Ciências, começou a ser realizado há alguns anos atrás, a partir da preocupação com o surgimento acelerado de bactérias resistentes a antibióticos e das consequentes dificuldades no tratamento de infecções, que provocam ameaças à saúde das pessoas.

Pensando nisso, os pesquisadores chineses desenvolveram um novo curativo capaz de detectar precocemente bactérias sensíveis e resistentes aos antibióticos. Este curativo é feito com produtos que mudam de cor quando entram em contato com substâncias produzidas pelas bactérias, como enzimas e toxinas, e quando essas bactérias provocam alterações no pH da pele. 

A partir da indicação das cores apresentadas no curativo é feito o tratamento para eliminar a infecção na ferida e cicatrizar o machucado, que pode ser através da liberação de antibióticos ou terapia com raios de luz.

Como funciona o novo curativo

O novo curativo desenvolvido na China é parecido com um band-aid e pode ser facilmente colocado sobre a lesão na pele. Quando o curativo detecta a presença de bactérias sensíveis aos antibióticos ocorre uma reação química, mudando da cor verde para amarelo, ao mesmo tempo que libera materiais feitos com ampicilina, para eliminar essas bactérias mais rapidamente e ajudar na cicatrização da pele.

Se as bactérias detectadas forem resistentes ao antibiótico do curativo, imediatamente ocorre a mudança da cor verde para vermelho e, nestes casos, é realizada uma terapia fotodinâmica, em que são aplicados raios de luz para enfraquecer e matar estas bactérias presentes no ferimento.

Além disso, este curativo permite uma avaliação rápida da lesão na pele, em torno de 4 horas, evitando a multiplicação das bactérias, tornando a cicatrização mais eficiente e não causa nenhum efeito colateral.

O que falta para ser vendido

Apesar de ser um curativo promissor na detecção rápida e no tratamento de infecções em lesões, este novo curativo que muda de cor ainda não pode ser comercializado para uso em seres humanos, pois só foram feitos testes em camundongos de laboratório, com bactérias específicas, do tipo Escherichia coli.

Entretanto, os pesquisadores do estudo estão confiantes de que em breve novos testes poderão ser realizados e que logo terão oportunidade de solicitar a autorização de órgãos competentes, responsáveis pela aprovação de novas terapias. Enquanto isso, veja alguns passos para curar uma ferida mais rápido.

Bibliografia >

  • SCIENCE ALERT. Scientists Made a Colour-Changing Bandage Designed to Detect Bacterial Infections. Disponível em: <https://www.sciencealert.com/scientists-have-developed-a-colour-changing-bandage-to-detect-bacterial-infections>. Acesso em 10 Fev 2020
  • SUN, Yuhuan; ZHAO, Chuanqi; NIU, Jingsheng; REN, Jinsong; QU, Xiaogang. Colorimetric Band-aids for Point-of-Care Sensing and Treating Bacterial Infection. American Chemical Society. A-F, 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem