Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Principais causas de cegueira e como evitar

Atualizado em Maio 2019

Glaucoma, infecções durante a gravidez e catarata são as principais causas de cegueira, no entanto podem ser evitadas através da realização regular de exames de vista e, no caso das infecções, diagnóstico e tratamento precoce, bem como acompanhamento das gestantes que possuem algum tipo de infecção que pode ser transmitida para o bebê, por exemplo.

A cegueira é definida como a perda total ou parcial da visão em que a pessoa não consegue enxergar ou definir objetos, podendo ser identificada após o nascimento ou se desenvolver ao longo da vida, sendo importante a realização de consultas oftalmológicas de forma regular.

Principais causas de cegueira e como evitar

Principais causas de cegueira

1. Glaucoma

O glaucoma é uma doença caracterizada pelo aumento progressivo da pressão dentro do olho, causando a morte das células do nervo óptico e resultando em dor no olho, visão turva, dor de cabeça, náuseas, vômitos, perda progressiva da visão e, quando não tratada, cegueira.

Apesar de ser uma doença normalmente associada ao envelhecimento, o glaucoma também pode ser identificado logo ao nascimento, apesar de ser raro. O glaucoma congênito acontece devido ao aumento da pressão no olho em função do acúmulo de líquido e pode ser diagnosticada no teste do olhinho que é realizado após o nascimento.

O que fazer para evitar: Para evitar o glaucoma, é importante que sejam feitos exames oftalmológicos de rotina, pois assim é possível verificar a pressão do olho e, caso alterada, o médico pode indicar tratamentos para diminuir a pressão e evitar o desenvolvimento do glaucoma, como colírios, medicamentos ou tratamento cirúrgico, por exemplo, dependendo do grau de comprometimento da vista. Conheça os exames realizados para diagnosticar o glaucoma.

2. Catarata

A catarata é um problema de visão que acontece devido ao envelhecimento do cristalino do olho, causando vista embaçada, alteração da visão das cores, aumento da sensibilidade à luz e perda progressiva da visão, podendo resultar em cegueira. A catarata pode ser consequência do uso de medicamentos, pancada no olho, envelhecimento e malformação do cristalino durante o desenvolvimento do bebê, sendo essa situação conhecida como catarata congênita. Saiba mais sobre a catarata.

O que fazer para evitar: No caso da catarata congênita, não há medidas preventivas, já que o bebê já nasce com alterações no desenvolvimento do cristalino, no entanto é possível que o diagnóstico seja feito logo após o nascimento através do teste do olhinho. No caso da catarata devido ao uso de medicamento ou à idade, por exemplo, é possível que a catarata seja corrigida através de cirurgia quando diagnosticada durante exames oftalmológicos de rotina.

3. Diabetes

Uma das complicações da diabetes é a retinopatia diabética, que acontece quando a glicemia não é controlada adequadamente, resultando em concentrações elevadas constantes de glicose no sangue, o que causa alterações a nível da retina e dos vasos sanguíneos oculares.

Assim, como consequência da diabetes descompensada, podem surgir alterações oculares, como por exemplo aparecimento de pontos ou manchas negras na visão, dificuldade para enxergar cores, visão embaçada e, quando não identificada e tratada, cegueira. Entenda porque a diabetes pode causar cegueira.

O que fazer para evitar: Nesses casos é importante que o tratamento para diabetes seja feito conforme a orientação do médico, pois assim os níveis de glicose no sangue são controlados e as chances de complicações diminuem. Além disso, é importante que sejam feitas consultas regulares ao oftalmologista para que se possa identificar possíveis alterações na visão.

Principais causas de cegueira e como evitar

4. Degeneração da retina

A degeneração da retina é uma doença em que há lesão e desgaste da retina, o que causa perda progressiva da visão e é normalmente relacionada com a idade, sendo mais comum de acontecer em pessoas com mais de 50 anos que possuem histórico familiar, deficiências nutricionais ou fumam de forma frequente.

O que fazer para evitar: Como a degeneração da retina não tem cura, é importante que os fatores de risco sejam evitados, assim é recomendado que se tenha alimentação saudável e balanceada e sejam realizados exercícios de forma regular, não ficar muito tempo exposto à luz ultravioleta e evite fumar, por exemplo.

No caso de haver diagnóstico de degeneração da retina, o médico pode indicar tratamentos de acordo com o grau do comprometimento da visão, podendo ser indicada a realização de cirurgia ou uso de medicamentos orais ou intraoculares. Saiba como é feito o tratamento para degeneração da retina.

5. Infecções

As infecções normalmente estão relacionadas com os casos de cegueira congênita e acontece porque durante a gravidez a mãe teve contato com algum agente infeccioso e o tratamento não foi realizado, foi realizado de forma ineficaz ou não houve resposta ao tratamento, por exemplo.

Algumas das infeções mais comuns de acontecer e resultar em cegueira congênita são a sífilis, toxoplasmose e rubéola, em que o microrganismo responsável pela infecção pode passar para o bebê e resultar em várias consequências para o bebê, incluindo a cegueira.

O que fazer para evitar: Para evitar infecções e, consequentemente, a cegueira, é importante que a mulher tenha as vacinas em dia e realize os exames pré-natais, pois assim é possível que sejam identificadas doenças logo no estágio inicial da doença, aumentando as chances de cura. Além disso, caso seja identificada doenças durante a gravidez, é importante que o tratamento seja feito conforme a orientação do médico, evitando complicações tanto para a mãe quanto para o bebê. Conheça os exames pré-natais.

6. Retinoblastoma

O retinoblastoma é um tipo de câncer que pode surgir em um ou nos olhos do bebê e é caracterizado pelo crescimento em excesso da retina, o que pode fazer com que surja um reflexo branco no centro do olho e dificuldade para enxergar. O retinoblastoma é uma doença genética e hereditária, ou seja, que é passada dos pais para os filhos e que é identificada no teste do olhinho, que é um exame realizado uma semana após o nascimento para detectar qualquer sinal de alteração na visão.

O que fazer para evitar: Como se trata de uma doença genética, não há medidas preventivas, no entanto é importante que seja feito o diagnóstico logo após o nascimento para que possa ser tratado e o bebê não tenha a visão totalmente comprometida. O tratamento indicado pelo oftalmologista leva em consideração o grau de comprometimento da visão. Entenda como é feito o tratamento do retinoblastoma.


Bibliografia

  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA. Dia Mundial da Visão: 8 de outubro de 2009. Link: <www.sboportal.org.br>. Acesso em 13 Mai 2019
  • WORLD HEALTH ORGANIZATION. Blindness and vision impairment. Link: <www.who.int>. Acesso em 13 Mai 2019
  • MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Deficiência Visual. 2000. Link: <portal.mec.gov.br>. Acesso em 13 Mai 2019
  • SILVA, Rufino; EID FARAH, Michel. Manual de Retina. Lisboa: Lidel, 2016. 39-43; 105; 181-185.
Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem