Bexiga hiperativa: o que é, sintomas, causas e tratamento

julho 2022

A bexiga hiperativa é uma condição urológica caracterizada pela sensação súbita e urgente de urinar ou incontinência urinária, podendo ser causada por diversos fatores, como aumento da atividade do músculo detrusor que controla a bexiga, ou alterações nos sinais nervosos entre o cérebro e a bexiga, levando à vontade urgente de urinar mesmo quando a bexiga não está completamente cheia.

A bexiga hiperativa é mais comum em mulheres, especialmente após os 60 anos, mas também pode surgir em qualquer idade ou em homens, devido a condições como diabetes, obesidade ou excesso de peso, por exemplo.

O tratamento da bexiga hiperativa deve ser feito com orientação do urologista que pode indicar o tratamento mais adequado, que pode ser feito com fisioterapia ou uso de remédios para ajudar a recuperar a contração do músculo da bexiga ou até cirurgia.

Sintomas de bexiga hiperativa

Os principais sintomas indicativos de bexiga hiperativa são:

  • Urgência para urinar, sem que exista sinal de infecção urinária;
  • Vontade repentina e incontrolável de urinar;
  • Vontade de urinar frequentemente e em pequena quantidade;
  • Dificuldade para segurar a urina;
  • Dor ou desconforto na região da bexiga ao urinar;
  • Incontinência urinária à noite;
  • Levantar mais de duas vezes durante a noite para urinar;
  • Perda de gotas de urina na roupa íntima;
  • Sensação de esvaziamento incompleto da bexiga.

Muitas vezes, os sintomas de bexiga hiperativa podem estar associados aos sintomas de incontinência de esforço, que pode causar perda de urina também ao realizar esforços no abdome, como tossir ou rir. Além disso, em homens acima dos 60 anos, estes sintomas também podem indicar aumento da próstata. Saiba identificar todos os sintomas do aumento da próstata.

Teste de sintomas

Para saber a chance de ter bexiga hiperativa, selecione no teste a seguir os sintomas apresentados:

  1. 1.Vontade repentina e urgente de urinar, sem infecção urinária
  2. 2.Vontade frequente de urinar e em pouca quantidade
  3. 3.Dificuldade para segurar a urina
  4. 4.Levantar mais de 1 vez durante a noite para urinar
  5. 5.Perda de gotas de urina após vontade repentina
  6. 6.Desconforto ou dor na região da bexiga ao urinar, sem infecção urinária

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da bexiga hiperativa é feito pelo clínico geral ou urologista, através da avaliação dos sintomas, do histórico de saúde e do exame físico, incluindo o exame pélvico e retal, além de exame neurológico.

Além disso, o médico pode solicitar exame de urina para descartar uma infecção urinária, além de exames como ultrassom das vias urinárias e estudo urodinâmico, que mede a pressão, o fluxo e a ação dos músculos durante a micção.

Possíveis causas

A bexiga hiperativa é causada por diversas condições de saúde, como:

  • Enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico, devido a gravidez ou parto;
  • Doenças neurológicas, como paraplegia, Parkinson, Alzheimer, AVC ou esclerose múltipla;
  • Diabetes;
  • Irritação das vias urinárias, como no caso de infecções urinárias,;
  • Obesidade ou excesso de peso;
  • Alterações hormonais, especialmente diminuição de estrogênio na menopausa;
  • Uso de remédios diuréticos;
  • Câncer na bexiga;
  • Pedra na bexiga ou cistos urinários;
  • Consumo excessivo de bebidas contendo cafeína.

Estas alterações dificultam o controle sobre os músculos da bexiga, afetando afeta mais mulheres do que homens, se manifestando, na maioria das vezes, a partir dos 60 anos, o que prejudica a qualidade de vida e pode causar transtornos emocionais e sociais.

Como é feito o tratamento

O tratamento da bexiga hiperativa deve ser feito com orientação do urologista ou clínico geral, que podem indicar:

1. Exercícios de Kegel

Os exercícios de Kegel podem ser indicados pelo médico para bexiga hiperativa pois ajudam a fortalecer a musculatura do assoalho pélvico e do esfíncter urinário, reduzindo as contrações involuntárias da bexiga. Veja como fazer os exercícios de Kegel.

2. Fisioterapia uroginecológica

A fisioterapia uroginecológica pode ser indicada pelo médico para fortalecer a musculatura do assoalho pélvico, o que pode ajudar a melhorar o controle sobre a bexiga e aliviar os sintomas da bexiga hiperativa.

A fisioterapia uroginecológica deve ser feita com orientação do fisioterapeuta, com exercícios específicos ou ainda eletroestimulação, biofeedback. Confira como é feita a fisioterapia uroginecológica.

3. Uso de remédios

Os remédios que podem ser indicados pelo urologista para bexiga hiperativa têm como objetivo ajudar a relaxar a bexiga, aliviando os sintomas, sendo normalmente indicados os anticolinérgicos, como oxibutinina, tolterodina, darifenacina ou fesoterodina, por exemplo.

Além disso, no caso de mulheres na menopausa, o médico pode indicar terapia de reposição hormonal ou aplicação de estrogênio intravaginal na forma de creme, supositório vaginal ou anel vaginal. Saiba como é feita a terapia de reposição hormonal.

4. Aplicação de toxina botulínica

A aplicação de toxina botulínica pode ser feita pelo médico aplicando a injeção em pontos específicos da bexiga para ajudar a diminuir as contrações involuntárias do músculo da bexiga.

Esse tipo de tratamento pode ser indicado no caso de incontinência urinária grave, sendo que seu efeito geralmente dura cerca de 6 meses, sendo necessária reaplicação da injeção após esse período, conforme orientado pelo médico.

5. Estimulação percutânea do nervo tibial

A estimulação percutânea do nervo tibial pode ser feita pelo médico para diminuir a atividade do músculo detrusor da bexiga, sendo realizada utilizando eletrodos colocadas próximo ao tornozelo, estimulando o nervo tibial, que leva esse estímulo até o músculo detrusor, diminuindo as contrações da bexiga, o que ajuda a aliviar os sintomas.

6. Cirurgia

Nos casos em que os outros tratamentos não foram eficazes para controlar os sintomas da bexiga hiperativa, o médico pode recomendar a cirurgia, que pode ser feita para aumentar a capacidade da bexiga de armazenar a urina ou ainda através da remoção completa da bexiga, e uso de um cateter coletor de urina, por exemplo.

Como prevenir

A bexiga nervosa pode ser evitada e diminuída com algumas medidas simples e naturais, entre elas estão:

  • Evitar o consumo de álcool, cafeína e cigarros;
  • Perder peso, o que ajuda a diminuir a pressão do abdômen sobre a bexiga;
  • Sempre que for urinar, esvaziar a bexiga por completo;
  • Fazer ginástica especial para a bexiga, como exercícios de Kegel, que ajudam a fortalecer os músculos do abdome e evitar a perda de urina. Aprenda a fazer os exercícios de Kegel;
  • Tomar chás com ervas medicinais, como de erva doce, alecrim, alecrim-pimenta e artemísia pode aliviar os sintomas, pois têm propriedades anti-espasmódicas.

Além disto, criar o hábito de usar o banheiro antes de sentir vontade, em intervalos regulares, pode ajudar no controle dos sintomas, começando de hora em hora e ir aumentando o tempo à medida que sentir segurança, procurando chegar a um intervalo entre 3 a 6 horas.

Controlar a ansiedade também é importante para evitar crises de incontinência urinária, pois ela piora e dificulta o controle da bexiga, dando a sensação de estar sempre cheia.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • LIGHTNER, D. J.; et al. Diagnosis and Treatment of Overactive Bladder (Non-Neurogenic) in Adults: AUA/SUFU Guideline Amendment 2019. J Urol. 202. 3; 558-563, 2019
  • RAJU, R.; LINDER, B. J. Evaluation and Treatment of Overactive Bladder in Women. Mayo Clin Proc. 95. 2; 370-377, 2020
Mostrar bibliografia completa
  • PEYRONNET, B.; et al. A Comprehensive Review of Overactive Bladder Pathophysiology: On the Way to Tailored Treatment. Eur Urol. 75. 6; 988-1000, 2019
  • WHITE, N.; IGLESIA, C. B. Overactive Bladder. Obstet Gynecol Clin North Am. 43. 1; 59-68, 2016
  • TUBARO, A.; et al. The management of overactive bladder: percutaneous tibial nerve stimulation, sacral nerve stimulation, or botulinum toxin?. Curr Opin Urol. 25. 4; 305-10, 2015
  • KURPAD, R.; KENNELLY, M. J. The evaluation and management of refractory neurogenic overactive bladder. Curr Urol Rep. 64. 2; 249-56, 2013
  • NANDY, S.; RANGANATHAN, S. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Urge Incontinence. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK563172/>. Acesso em 18 jul 2022
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.

Tuasaude no Youtube

  • Incontinência Urinária: 7 truques para o xixi não escapar

    06:04 | 69718 visualizações
  • INCONTINÊNCIA URINÁRIA | com Rosana Jatobá e Silvia Faro

    06:01 | 16855 visualizações
  • Exercícios para INCONTINÊNCIA URINÁRIA

    04:02 | 738670 visualizações
  • O que COMER na INCONTINÊNCIA URINÁRIA

    03:10 | 92028 visualizações
  • Hipopressiva para Perder Barriga | Como fazer

    02:38 | 2368160 visualizações