Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como um simpático anfíbio (axolote) pode ajudar no tratamento de doenças

Novembro 2019

Os axolotes são anfíbios que medem cerca de 20 centímetros e que são encontrados mais facilmente no México, apesar de estarem em extinção. Esses anfíbios são bastante estudados devido à sua capacidade de regeneração, principalmente do fígado e da medula espinhal.

Recentemente foi verificado que um axolote foi capaz de regenerar seu rosto e olho perdidos devido à uma infecção, o que despertou interesse na comunidade científica para entender como isso foi possível e se esse mesmo mecanismo poderia ser replicado em humanos.

Como um simpático anfíbio (axolote) pode ajudar no tratamento de doenças

O que foi verificado

Apesar de já se saber do poder regenerativo do axolote em relação ao fígado e à espinha, recentemente foi verificada a capacidade de regeneração da pele do axolote. Isso porque, um dos anfíbios obteve uma infecção fúngica que foi responsável pela destruição de metade do seu rosto e foi verificado que após cerca de 2 meses, o axolote foi capaz de regenerar o tecido perdido e adquirir um olho totalmente funcional.

O que já se sabe

Até o momento é sabido que os axolotes possuem capacidade para regenerar as células hepáticas, no entanto, o mecanismo para que isso aconteça ainda é foco de estudos, sendo necessárias mais investigações para que se tenha clareza de como acontece.

Acredita-se que o sistema imunológico tem papel essencial nesse processo de regeneração, principalmente os macrófagos. Em um dos estudos, antes da amputação foi injetado no axolote um concentrado de macrófagos, podendo ser observado em seguida formação de tecido cicatricial, o que sugere que essas células podem ter relação direta com o processo de regeneração. Apesar dessa evidência, mais estudos precisam ser feitos para que se possa comprovar a relação e entender de fato como funciona o processo de regeneração.

Impacto do poder de regeneração do axolote na saúde

A capacidade de regeneração do fígado e, agora, a capacidade de regeneração da pele e do olho do axolote colocaram esse anfíbio novamente no centro das discussões e dos estudos. É proposto pelos cientistas o estudo do mecanismo de regeneração que os axolotes possuem, sendo propostas várias aplicações a partir do momento em que for verificada viabilidade em humanos, como por exemplo no tratamento de feridas e de doenças que levam à perda de um membro e na cicatrização de órgãos, como o coração e o fígado.

Além disso, estudos foram realizados e verificaram que a taxa de câncer nos anfíbios e, especialmente, nos axolotes é muito baixa e acredita-se que isso seja devido aos mecanismos relacionados com a regeneração celular, que impedem o desenvolvimento do câncer. Por isso, esses mecanismos de regeneração também estão sendo estudados para verificar a sua relação com o desenvolvimento do câncer e de que forma pode impedir a proliferação das células malignas. Dessa forma, é possível que sejam desenvolvidos novos estudos relacionados com o tratamento do câncer.

Bibliografia >

  • BBC. Mexico City's 'walking fish'. Disponível em: <http://www.bbc.com/travel/story/20191110-mexico-citys-walking-fish>. Acesso em 22 Nov 2019
  • HARVARD UNIVERSITY. Regeneration: What the axolotl can teach us about regrowing human limb. Disponível em: <http://sitn.hms.harvard.edu/flash/2018/regeneration-axolotl-can-teach-us-regrowing-human-limbs/>. Acesso em 22 Nov 2019
  • Brian J. Haas1 and Jessica L. Whited. Advances in Decoding Axolotl Limb Regeneration. Trends Genet. Vol 33. 8 ed; 553-565, 2017
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem