Como tratar a ruptura do tendão de Aquiles

PUBLICIDADE

O tratamento para casos de ruptura do tendão de Aquiles pode ser feito com ou sem cirurgia, sendo que a cirurgia normalmente é indicada para pacientes jovens que praticam atividades físicas regulares e que pretendem regressar mais rapidamente a praticar esportes como futebol, corrida ou ciclismo.

Já nos outros casos, como pacientes idosos, a ruptura do tendão de Aquiles geralmente é feito apenas com imobilização do membro, pois apresenta menos riscos e, normalmente, não é necessária uma recuperação rápida.

Além disso, o tratamento indicado pelo ortopedista também pode variar de acordo com o tipo de ruptura, sendo que no caso de uma ruptura parcial do tendão é mais comum o tratamento conservador, sem utilizar cirurgia.

Cirurgia para ruptura do tendão de Aquiles

A cirurgia para tratar a ruptura do tendão de Aquiles dura cerca de 30 a 60 minutos e é feita com anestesia geral, sendo que, durante a cirurgia, o médico faz um pequeno corte na pele sobre o tendão, para colocar pontos que mantêm o tendão junto, facilitando sua cicatrização.

Após a cirurgia, é necessário manter o repouso da perna durante, pelo menos, 1 semana tendo especial atenção para manter a perna sempre elevada acima do nível do coração para aliviar o inchaço e a dor.

Além disso, o paciente precisa utilizar uma bota ortopédica ou uma bota de gesso durante 6 semanas para evitar colocar muito peso sobre o tendão lesionado.

Fisioterapia para ruptura do tendão de Aquiles

A fisioterapia para ruptura do tendão de Aquiles deve ser iniciada após liberação do ortopedista, o que, normalmente, acontece cerca de 3 semanas após a cirurgia.

Geralmente, na fisioterapia são utilizados alguns exercícios para fortalecer os músculos e ligamentos do tornozelo, permitindo uma cicatrização mais rápida do tendão. Saiba mais: Fisioterapia para tendão de Aquiles.

Tratamento conservador para ruptura do tendão de Aquiles

O tratamento conservador para ruptura do tendão de Aquiles é feito apenas com o uso de uma bota ortopédica ou um bota gessada com salto para manter o calcanhar mais elevado e permitir que o tendão não fique muito esticado, facilitando a cicatrização natural.

Durante este tipo de tratamento, é importante evitar qualquer atividade que utilize demasiado o pé afetado, como subir escadas ou caminhar sem apoio, por exemplo, até indicação do médico, por exemplo.

Este tipo de tratamento, geralmente, é mais demorado que o tratamento feito com cirurgia, no entanto, quando a ruptura é parcial, este pode ser o tratamento ideal, uma vez que apresenta menos riscos e o tempo de recuperação é mais rápido.

Veja como identificar a ruptura de tendão em:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE