Tratamento para distonia

publicidade

O tratamento da distonia pode ser feito com injeções de toxina botulínica, conhecida por botox, remédios para controlar a distonia, relaxantes musculares, fisioterapia e cirurgia, que inclui a estimulação cerebral profunda.

A distonia ocorre quando os músculos se contraem involuntariamente, causando movimentos repetitivos e incontroláveis, que podem afetar as tarefas diárias, por isso, o tratamento para distonia tem como objetivo controlar as contrações musculares, melhorando a qualidade de vida do paciente.

A escolha do tratamento deve ser feita pelo médico, de acordo com a gravidade e o tipo de distonia, como distonia aguda, generalizada, cervical, segmentar ou neurovegetativa. Saiba mais sobre os tipos de distonia em: Distonia.

Tratamento para distonia com botox

A distonia pode ser tratada com injeções de toxina botulínica, conhecida por botox, pois esta substância ajuda a diminuir as contrações musculares involuntárias características desta doença.

As injeções de botox são administradas pelo médico diretamente nos músculos afetados, geralmente a cada 3 meses e é normal sentir dor no local da injeção durante alguns dias. Além disso, as injeções de botox podem causar outros efeitos colaterais, de acordo com o local da injeção, como dificuldade para engolir, em caso de distonia cervical, por exemplo.

Remédios para distonia

O tratamento medicamentoso para distonia pode ser feito com os seguintes remédios:

  • Levodopa e Carbidopa: usados para melhorar os espasmos involuntários;
  • Tetrabenazine: indicado no tratamento de doenças caracterizadas por movimentos irregulares incontroláveis;
  • Triexifenidila: um remédio anticolinérgico, que atua bloqueando a liberação de acetilcolina, que é responsável por causar espasmos musculares;
  • Baclofeno: alivia a rigidez muscular e relaxa a musculatura;
  • Diazepam e lorazepam: relaxantes musculares, que promovem o relaxamento dos músculos.

Estes remédios devem ser prescritos pelo médico, sendo que a dose e o modo de uso pode variar de acordo com a gravidade da distonia.

Fisioterapia para distonia

O tratamento fisioterapêutico para distonia consiste na realização de exercícios específicos ou técnicas para ajudar a manter a totalidade dos movimentos, melhorar a postura, aliviar a dor, evitar o encurtamento ou enfraquecimento dos músculos afetados e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Além disso, a fisioterapia ajuda a evitar contraturas musculares e a diminuir os efeitos colaterais do tratamento com botox, através do alívio da dor ou da estimulação da deglutição, por exemplo, que pode ficar comprometida com o botox.

Cirurgia para distonia

O tratamento cirúrgico para distonia pode ser feito através de duas técnicas:

  • Estimulação cerebral profunda: consiste na implantação de elétrodos dentro do cérebro que estão conectados a um pequeno dispositivo, semelhante a um pacemaker, que geralmente fica no abdômen e que envia impulsos elétricos para o cérebro, ajudando a controlar as contrações musculares;
  • Desnervação periférica seletiva: consiste no corte das terminações nervosas que estão causando espasmos musculares.

Estas opções cirúrgicas normalmente só são feitas quando os outros tratamentos não foram eficazes.

Sinais de melhora

Os sinais de melhora da distonia estão relacionadas com o início do tratamento e incluem a diminuição do número de contrações musculares involuntárias e, consequentemente, dos movimentos repetitivos ou posturas distorcidas, assim como da dor.

Sinais de piora

Os sinais de piora da distonia surgem quando o tratamento não é feito corretamente e incluem o aumento e intensidade das contrações musculares involuntárias, provocando movimentos repetitivos que afetam as tarefas de vida diária do paciente e, consequentemente, a sua qualidade de vida.

publicidade
publicidade