Transmissão, Cura e Prevenção da Malária

PUBLICIDADE

A malária ou paludismo, como também é conhecida, é uma doença infecciosa causada pela picada do mosquito Anopheles fêmea que causa sintomas como febre e calafrios e que deve ser tratada prontamente, pois a forma mais grave da malária pode levar à morte.

Para o diagnóstico da malária pode-se realizar um teste rápido utilizando uma gota de sangue do indivíduo supostamente contaminado. Este exame chama-se exame da gota espessa.

PUBLICIDADE

A malária tem cura quando o tratamento é instituído rapidamente e é realizado corretamente. Se estas condições não forem respeitadas, as chances de complicações e de morte são maiores, sobretudo se o indivíduo for picado pelo mosquito que estava contaminado com o P. falciparum.

Transmissão, Cura e Prevenção da Malária

Sintomas da malária

São sintomas da malária podem iniciar de 8 a 17 dias após a picada do mosquito, mas em alguns casos podem demorar meses para se manifestar. São eles:

  • Febre alta;
  • Dor de cabeça;
  • Dor no corpo;
  • Fraqueza;
  • Dores musculares;
  • Calafrios;
  • Mal-estar generalizado;
  • Dor abdominal;
  • Tontura;
  • Tremores forte que podem durar de 15 minutos a 1 hora;
  • Náuseas e
  • Vômitos.

Em caso de infecção pelo P. falciparum, pode haver ainda sintomas como:

  • Choque circulatório;
  • Desmaio;
  • Delírios;
  • Convulsões;
  • Urina escura;
  • Dificuldade em respirar;
  • Hipoglicemia;
  • Inchaço e dor abdominal.

Os sintomas da malária surgem em forma de surtos. O indivíduo pode apresentar alguns destes sintomas num determinado momento do dia e depois sentir-se bem, até que surja uma nova crise de 2 a 3 dias depois. Saiba mais detalhes dos Sintomas da malária.

Agente etiológico da malária

O agente etiológico da malária, isto é, o agente causador da malária, é o mosquito Anopheles fêmea, que pode estar contaminado com 4 tipos de parasitas diferentes. São eles:

  • Plasmodium falciparum: causa malária maligna;
  • Plasmodium vivax: causa malária benigna;
  • Plasmodium malariae: causa malária benigna;
  • Plasmodium ovale: causa malária benigna.

Os parasitas presentes no mosquito instalam-se no fígado humano após a picada e amadurecem em 2 a 4 semanas. Após esse período invadem e destroem as células vermelhas do sangue causando os sintomas típicos da doença.

Transmissão da malária

Transmissão, Cura e Prevenção da Malária

A transmissão da malária ocorre da seguinte forma:

  • O mosquito contaminado com malária pica um indivíduo saudável contaminando-o;
  • O mosquito saudável pica o indivíduo com malária e passa a poder transmitir a doença para outros, sempre que os picar.

As áreas de maior risco de contaminação com a malária são: América do Sul, América Central, África e parte da Ásia. O mosquito da malária sobrevive em locais com água limpa com pouca corrente, temperatura média de 20 a 30º e muita umidade.

Tratamento da malária

O tratamento da malária é feito com a ingestão de medicamentos antimaláricos, como a Cloroquina, por 3 dias, e a Primaquina,por 7 ou 14 dias, fornecidos gratuitamente pelo SUS. Estes medicamentos são de dose única diária e devem ser ingeridos junto a uma refeição para evitar dor de estômago. A dose do medicamento varia conforme a idade e o peso do indivíduo e os casos mais graves necessitam de internamento hospitalar. Veja mais detalhes do Tratamento da malária.

Recomenda-se ainda:

  • Alimentar-se normalmente;
  • Não consumir bebidas alcoólicas;
  • Não parar o tratamento antes do conselho médico, mesmo se os sintomas desaparecem antes, pelo risco de recidiva e complicações da doença.

Além disso, alguma plantas medicinais como boldo, eucalipto e alho podem ser usadas para aliviar os sintomas da doença. Veja como em: Remédios caseiros para malária.

Prevenção da malária

A prevenção da malária pode ser feita através de:

  • Uso de roupas de cor clara e de tecido fino, com mangas compridas e calças compridas;
  • Evitar as áreas mais propensas à contaminação da doença, como Amazônia e a África, por exemplo;
  • Usar repelente à base de DEET (N-N-dietilmetatoluamida), respeitando as orientações do fabricante quanto à reposição do repelente;
  • Colocar telas de proteção contra mosquitos em janelas e portas;
  • Evitar tomar banho em lagoas e lagos das áreas endêmicas depois do pôr do sol até ao amanhecer.
PUBLICIDADE