Linfoma não-Hodgkin tem cura

PUBLICIDADE

O linfoma não-Hodgkin é um tipo de câncer linfático que tem cerca de 80% de cura, especialmente se ele for descoberto em sua fase inicial e se seu tratamento for iniciado o mais rápido possível.

Na maioria dos casos  o tratamento é feito com a associação da quimioterapia com radioterapia ou com o uso dos anticorpos monoclonais e citocinas.

Os pacientes com linfoma não-Hodgkin indolentes também possuem boas chances de cura se forem medicados com o fármaco mais correto precocemente. Para descobrir qual é este medicamento os médicos podem precisar de algum tempo para classificar corretamente o tipo de linfoma não-Hodgkin que o indivíduo têm, mas este tempo será recompensado pelas melhoras significativas que o medicamento correto trará.

Tipos de linfoma não-Hodgkin

Existem mais de 40 tipos de linfoma não-Hodgkin e eles são classificados ainda de acordo com as células que afetam: B ou T, e também se considera o tamanho do tumor, forma e apresentação ao microscópio, mas geralmente os linfomas não-Hodgkin são subdivididos em: indolentes ou agressivos pois saber isto é de extrema importância para que o tratamento seja realmente bem direcionado.

Os linfomas não-Hodgkin indolentes apesar de irem se desenvolvendo mais lentamente são mais difíceis de curar e os linfomas não-Hodgkin agressivos desenvolvem-se de forma muito rápida mas geralmente são mais fáceis de serem curados, principalmente quando a doença é descoberta no início e é corretamente tratada.

Prognóstico em caso de linfoma não-Hodgkin

O prognóstico em caso de linfoma não-Hodgkin é muito individualizado, pois depende de vários fatores como o tipo de tumor que o indivíduo possui, o seu estadiamento, o estado de saúde geral do indivíduo, do tipo de tratamento que vem sendo feito e quando ele foi iniciado.

Mas é sabido que há maiores chances de cura para os linfomas não-Hodgkin agressivos que são diagnosticados no início e são corretamente tratados. Apesar destes poderem levar à morte em poucos meses, eles respondem bem à radioterapia e a quimioterapia e o indivíduo pode ficar curado. Já os linfomas não-hodgkin indolentes podem demorar anos para se manifestar, e por serem menos agressivos, o indivíduo pode viver mais de 10 anos com ele, mas estes são muito mais difíceis de serem curados, pois não respondem bem aos tratamentos disponíveis.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE