Entenda o que é Espondilite Anquilosante

PUBLICIDADE

A espondilite anquilosante, também chamada de espondiloartrose anquilosante, é uma lesão na coluna onde as vértebras fundem-se umas com as outras trazendo sintomas como dor e dificuldade nos movimentos da coluna.

Esta lesão inicia-se na articulação sacroilíaca, entre a pelve e as últimas vértebras lombares, ou na articulação do ombro e tende a ir agravando-se afetando progressivamente todas as outras vértebras da coluna, podendo levar o indivíduo a afastar-se do trabalhado, iniciando precocemente sua aposentadoria.

PUBLICIDADE

Sintomas 

Os sintomas da espondilite anquilosante são:

  • Dor na coluna na região afetada;
  • Dificuldade nos movimentos da coluna como por exemplo virar o rosto para os lados;
  • Limitação dos movimentos da lombar nos 3 eixos;
  • Redução da expansibilidade torácica;
  • Pode haver sensação de dormência e/ou formigamento nos braços ou nas pernas;
  • Rigidez matinal;
  • Dor melhora com movimento e piora com o repouso;
  • Pode haver retificação da lombar, aumento da cifose e/ou projeção da cabeça para frente;
  • Febre baixa, em torno de 37ºC;
  • Cansaço e apatia.

Estes sintomas vão instalando-se aos poucos até que com o passar dos anos eles se tornam cada vez mais comuns. Saiba mais sobre os sintomas que esta doença pode causar em Conheça os Sintomas da Espondilite Anquilosante

Diagnóstico

O diagnóstico da espondilite anquilosante é feito através da observação do paciente e da análise do raio-x; cintilografia óssea; teste sorológico HLA - B27 que é um teste genético e da tomografia computadorizada da articulação sacroilíaca e da coluna.

Chega-se ao diagnóstico quando há a presença dos sintomas acima citados por mais de 3 meses e quando há um comprometimento de grau 2 a 4 nas duas articulações sacroilíacas, ou grau 3 ou 4 numa única articulação sacroilíaca.

É importante realizar todos estes exames para a perícia médica avaliar a possibilidade de aposentadoria ou não.

Tratamento

O tratamento é feito com a toma de medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios e relaxantes musculares. A fisioterapia é essencial e será de grande ajuda para aliviar os sintomas, devolver alguma mobilidade articular e aumentar a flexibilidade geral.

Alguns exemplos de remédios utilizados no tratamento são:

  • Indometacina: 50 a 100md/dia;
  • Diclofecano sódico: 100 a 200mg/dia;
  • Naproxeno: 500 a 1500mg/dia;
  • Piroxicam: 20 a 40mg/dia e
  • Aclofenaco: 100 a 200mg /dia.

A combinação de medicamentos e a dosagem deverão ser dada pelo médico depois de avaliar a intensidade dos sintomas manifestados. 

Dependendo da idade do paciente e das suas atividades diárias, pode-se recomendar a cirurgia para colocação de uma prótese a fim de melhorar a amplitude de movimentos. A prática regular de exercícios além de melhorar a sintomatologia, confere mais energia e disposição. Métodos naturais como massagens, acupuntura, auriculoterapia, shiatsu e outras podem ser utilizados com o objetivo de diminuir a dor. Além disso, a alimentação com pouco ou sem amido também têm demonstrado ser eficaz trazendo alívio da dor e diminuindo a progressão da doença.

É importante que o paciente saiba que o tratamento deverá ser realizado por toda a vida pois a espondilite anquilosante e ainda não têm cura. Saiba mais sobre o tratamento desta doença clicando aqui.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE