Como é feito o exame de Campimetria visual

PUBLICIDADE

A campimetria visual é feita com o paciente sentado e com o rosto colado ao aparelho medidor, chamado campímetro, que emite pontos de luz em diferentes lugares e com diferentes intensidades no campo de visão do paciente.

Durante o teste, uma luz no fundo do aparelho é emitida para que o paciente mantenha a visão focada nela. Assim, ele terá que acionar uma campainha em sua mão à medida que conseguir identificar os novos pontos de luz que surgem, mas sem movimentar os olhos para os lados, encontrando as luzes apenas com a visão periférica.

PUBLICIDADE

Como é feito o exame de Campimetria visual

Cuidados durante o exame

Pacientes que usam lentes de contato não precisam retirá-las para fazer o exame, mas devem sempre lembrar de levar a última receita médica da prescrição dos óculos.

Além disso, pacientes que estão em tratamento de glaucoma e usam o medicamento Pilocarpina devem falar com o médico e pedir autorização para suspender o uso do remédio 3 dias antes da realização do exame de campimetria.

Tipos de Campimetria

Existem dois tipo de exame, a campimetria manual e a computadorizada, e a principal diferença entre elas é que a manual é feita a partir dos comandos de um profissional treinado, enquanto o teste computadorizado é todo comandado pelo aparelho eletrônico.

Em geral, a campimetria manuel é indicada para identificar problemas na visão periférica e para avaliar pacientes com grande perda da acuidade visual, idosos, crianças ou pessoas debilitados, que têm dificuldade para seguir os comandos do aparelho.

Para que serve

A campimetria é um exame que avalia problemas de visão e áreas sem visão do campo visual, indicando se existe cegueira em alguma região do olho, mesmo que o paciente não perceba o problema.

Assim, ela é usada para fazer o diagnóstico e acompanhar a evolução de problemas como:

  • Glaucoma;
  • Doenças da coroide do olho, como a coroidite;
  • Doenças da retina;
  • Problemas no nervo óptico, como papiledema e papilite;
  • Problemas neurológicos, como AVE e tumores;
  • Dor nos olhos;
  • Intoxicação medicamentosa;
  • Alterações do campo visual;
  • Enxaqueca ligadas a problemas de visão.

Além disso, este exame também analisa o tamanho do campo visual captado pelo paciente, ajudando a detectar problemas de visão periférica, que são as laterais do campo de visão.

Para saber identificar problemas de visão, veja:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE